Resenha - Os dois mundos de Astrid Jones

quarta-feira, 10 de agosto de 2016
Titulo: Os dois mundos de Astrid Jones
Autor: A. S. King
Editora: Gutenberg
Páginas: 288
Sinopse: "O movimento é impossível.” É o que Astrid Jones, 17 anos, aprendeu na sua aula de filosofia. E, vivendo na pequena cidade em que mora, ela começa a acreditar que isso é mesmo verdade. São sempre as mesmas pessoas, as mesmas fofocas, a mesma visão de mundo limitada, como se estivessem todos presos em uma caverna, nunca enxergando nada além.

Nesse ambiente, ela não tem com quem desabafar suas angústias, e por isso deita-se em seu jardim, olha os aviões no céu, e expõe suas dúvidas mais secretas aos passageiros, já que eles nunca irão julgá-la. Em seu conflito solitário, ela se vê dividida entre dois mundos: um em que é livre para ser quem é de verdade e dar vazão ao que vai em seu íntimo, e outro em que precisa se enquadrar desconfortavelmente em convenções sociais.

Em um retrato original de uma garota que luta para se libertar de definições ultrapassadas, este livro leva os leitores a questionarem tudo e oferece esperança para aqueles que nunca deixarão de buscar o significado do amor verdadeiro."


A palavra que diz tudo sobre esse livro é REPRESENTATIVIDADE! Astrid é uma jovem doce, sonhadora e que se encontra em conflito com suas vontades. Com 17 anos ela adora as aulas de filosofia e os questionamentos que a matéria acaba nos fazendo, acontece que ela tem um questionamento interno, sobre sua sexualidade. Gostar de uma garota faz dela lésbica?Como lidar com isso?Como sua mãe que a trata tão mal lidaria com isso? E seu pai que vive chapado?
Astrid não tem com quem desabafar e acaba mandando seu amor para aviões, sempre que um avião passa, ela se deita sobre a mesa no jardim e manda seu amor, nesse momento o livro se intercala, e acaba contando a história de algum passageiro que recebe esse amor.
Só tenho elogios sobre esse livro, é incrível a maneira que a autora consegue representar a comunidade LGBT, os medos de uma adolescente se descobrindo, e a fragilidade do amor.
É uma leitura leve, tocante, cheia de trechos que marcam seu peito e te fazem pensar sobre como nós julgamos as pessoas de maneira errônea, e que nem sempre justos.

"Há um 747 passando bem alto, que deixa uma linha branca certinha pelo céu sem nuvens de outono. Pergunto aos passageiros: Eu sou mesmo gay? Mas eles não respondem. Estão lendo suas revistas de bordo e bebericando um refrigerante. Mando meu amor a eles, o máximo que consigo reunir. Pergunto a eles: O que faço agora?"


Esse é um daqueles livros em que não conseguimos parar de ler, A.S. King consegue nos prender e torcer pela pela personagem, afinal, o amor é algo lindo e não devemos ter medo de senti-lo! Me senti amiga de Astrid e em determinados momentos quis abracá-la e dizer que tudo ia ficar bem, e que ela não estava sozinha. Essa é uma história sobre amor, educação, respeito, representatividade, visibilidade e de como somos peculiares.

10 comentários:

Ana Lícia disse...

Ain. Fiquei louca para ler. Eu comprei este livro alguns meses atrás, mas ainda não li. Eu não sei exatamente sobre o que se trata, mas sua resenha clareou um pouco e com certeza vou colocar na pilha de leitura. Eu amo esta capa. Linda, linda. Você já leu Por Lugares Incríveis?

beijos

Priscila Soares disse...

Olá! O título e a capa não me chamaram muita atenção, me pareceu um livro clichê, mas a sua resenha me fez mudar de opinião. Pareceu um livro bem diferente, e representatividade tem sido um assunto bastante abordado pelos autores ultimamente, então acredito que a história se destaque de outras.
beijos!

Tatiana Petraccone Silva disse...

Que um dia possamos viver em um mundo que nossos jovens não tenham medo do preconceito, que essa palavra nem exista mais. Não conhecia o livro, e fiquei bem interessada, que faça muito sucesso e "abra mentes".

Maria Valéria disse...

deve ser uma bela leitura... eu não sabia que o livro tratava dessa temática, acho importante ela estar incutida na literatura jovem, a nível de reflexão... ^^
bjs...

Leitora Compulsiva disse...

Uau! Esse livro parece ser muito legal mesmo!
Adorei o fato da personagem ter esse contato com outras pessoas e conseguir passar para elas algo tão precioso quanto o amor! Mais um título que entra na minha lista! =)

Fabrica dos Convites disse...

Ainda não estou empolgada o suficiente para passar este livro na frente das minhas leituras. Acho válido ter um livro cujo enredo coloque em foco o mundo LGBT, mas tem outros livros com este tema que me interessaram mais.
Bjs!

kênia Cândido disse...

Oi Dayhara.

Ainda não tinha lido uma resenha sobre este livro e não sabia que abordava LGBT. Deixarei a dica anotada, pois se parecer uma oportunidade de ler e conhecer a história, eu vou querer.

Bjos

Catrine Vieira disse...

Ooi!
Não conhecia o livro, a proposta dele é super legal. Dica mais que anotada. Ótima resenha!
Acho que é a primeira vez que venho aqui no blog, amei! :)
Beijoos!

http://estantemineira.blogspot.com.br/

Suelen Fernandes disse...

Olá!
A história parece ser bem envolvente e aborda um tema bem polêmico, mas de uma forma leve. Gostei.muito do enredo é vou adicionar a história na lista de desejados.
Adorei a sua resenha.
Beijinhos!

Michelle Ladislau - As Leituras da Mila disse...

Oi.
Tudo bom?
A temática do livro é bem polêmica e fiquei com pena da personagem principal qr estava se descobrindo, mas não tinha ninguém para auxilia-la.
Beijos

Postar um comentário

 
© Uma dose de Cacto - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Dear Maidy. Tecnologia do Blogger.
imagem-logo