RESENHA- Victoria e o Patife

domingo, 27 de agosto de 2017
Titulo: Victoria e o Patife
Autora: Meg Cabot
Editora: Galera Record
Nº de Páginas: 256
Sinopse: "Neste romance histórico juvenil escrito pela autora de “O diário da princesa”, acompanhamos a trajetória de Victoria. Criada pelos tios na Índia, ela é enviada a Londres aos 16 anos para conseguir um marido. Mas é na longa viagem até a Inglaterra que a jovem encontra o amor, na figura de Hugo Rothschild, o nono Conde de Malfrey. Tudo estaria ótimo se não fosse a insuportável interferência do capitão do navio, Jacob Carstairs. Por que ele não pode confiar na escolha de Victoria? Por que ele não a deixa em paz? Estaria Hugo escondendo algo?"



* Livro cedido em parceria com a editora








 Confesso que tenho certa dificuldade com romances de época, a ideia de mulheres submissas, reservadas apenas para casar e afazeres do lar me deixa agoniada, claro que é só uma história, mas eu acabo revirando mais os olhos do que gostaria e quando vejo já abandonei a história. Eis que Meg Cabot, a rainha das histórias de princesa resolveu atacar em um romance histórico, aproveitei a oportunidade para tentar se aprofundar um pouquinho mais no gênero e tirar as primeiras más impressões, me decepcionei? Definitivamente não! Meg segue sendo uma autora incrível, capaz de mudar o conceito do leitor sobre qualquer coisa que até então ele não simpatizava.
 Victoria sempre morou com os tios, três homens sem qualquer educação em um país onde as coisas também são complicadas, ela é enviada da Índia para Londres com um objetivo bastante forte, encontrar um marido, e logo! Mas por que ela precisa de um marido? Victoria é rica, herdou dinheiro o suficiente para viver tranquilamente o resto de sua vida. Durante a viagem de navio ela encontra um homem educado e que não mede esforços para encantá-la, Hugo, logo você cria antipatia pelo cara, ele parece ser dono de si e todo escorregadio com outras questões, a desconfiança é imediata. Vic é pedida em casamento antes mesmo de chegar até Londres e obviamente aceita, por mais que o maravilhoso Capitão Jacob a alerte sobre quão ruim Hugo pode ser, ela nem sequer dá ouvidos, Jacob é lindo, mas também é mal educado, usa o colarinho da camisa baixo demais, insulta Vic e parece estar sempre por perto para irritá-la.
 Pois bem, ao chegar em Londres Vic pensou ter se livrado do Capitão quando tem uma bela surpresa... Ele é amigo intimo de seus tios, está sempre por perto, pronto para irritá-la ou chamá-la de abelhuda, você acha que ele se esqueceu? Não, todo o tempo que tem por perto de Victoria ele tenta convencê-la sobre o caráter de Hugo, é uma questão pessoal e quase sempre termina em briga.




Agora vamos para as minhas impressões:

Eu demorei um tempão para fazer a leitura dessa obra por puro preconceito, não queria ler um romance de época porque estava certa de que iria me irritar com o comportamento dos personagens, me enganei! Vic é uma mulher forte, determinada, não precisa de homem para nada, nem mesmo para ser salva de um assalto, ela também é um pouco controladora, quer educar a todos, desde seus primos até empregados, e tem um comportamento... Quase que maternal. Ela acredita que tudo bem se casar com um homem sem dinheiro, seu papel nesse casamento seria ajudá-lo a se reerguer, por mais que ele seja um homem acomodado e aproveitador... Isso me irritou um pouco, ela é tão dona de si em certas questões e tão submissa quando o assunto é matrimônio. Você não precisa se casar com alguém da mesma condição social que você, obviamente não! Mas quem em sã consciência se casaria com um homem que mostra querer se casar APENAS pelo dinheiro?
Já Jacob... Que homem maravilhoso que não mede esforços para conseguir o que quer, ele é doce mas não do tipo enganador, fala exatamente o que pensa e Vic odeia isso porque quase sempre ele é desagradável com ela, quando os dois se juntam surgem faíscas por todos os lados e eu já ficava pronta para o embate. Os personagens secundários são bastante participativos e muito bem construídos, infelizmente eu acabei deduzindo o que aconteceria quando chegasse ao clímax mas ainda assim me surpreendi com a reviravolta, Meg sabe ser clichê e surpreendente de uma forma ímpar.
 Um livro leve, curtinho e que vai te fazer soltar longas gargalhadas, Meg Cabot tem uma maestria única e que permite ao leitor ser envolto no véu de seu talento. Se você gosta de mulheres fortes e de coração mole, esse livro é para você. Se você gosta de homens obstinados e nada sutis, esse livro é para você, se você gosta de boas histórias, adivinha?



10 comentários:

Júlia Oliveira disse...

Eu tô doida pra ler esse livro desde seu lançamento e confesso que gostei da sua sinceridade depositada na resenha, me alertou sobre o que ele realmente trata. Adorei tua resenha e espero conseguir lê-lo em breve. Beijos!

Tais Burigo disse...

Oi tudo bem?
Diferente de você eu sou completamente apaixonada por romances de época, estou curiosa para ler Victoria e Patife desde o lançamento ainda não tive a oportunidade mas fico feliz em saber que Vic não é uma mulher cheia de mimimi (eu odeio). Muito bom quando o livro nos surpreende né?

Beijos

Dryh Meira disse...

Oiee ^^
Eu gosto muito de romances de época, principalmente porque me fazem imaginar se realmente existiam mulheres independentes e "fora dos padrões" da época. Mas este não me conquistou muito. Acho que eu estava esperando algo mais desenvolvido, sabe? Contudo, é uma história engraçada, né?
MilkMilks ♥
http://shakedepalavras.blogspot.com.br

Lucy disse...

Olá!
Sempre gostei dos livros da Meg Cabot, acho que ela tem um humor ácido que cabe direitinho numa história. Eu vi o lançamento desse livro, apenas não tive oportunidade de adquiri-lo. Que bom que vc deixou o preconceito de lado e pôde usufruir da leitura!
Bjs
Por essas páginas

Amanda Colares disse...

Olá!!
Nossa, tenho o mesmo "preconceito" que você, em relação a romances de época rsrs
Porém, tenho lido várias resenhas em que as protagonistas não parecem ser tão submissas como imaginamos, e tenho ficado curiosa quanto a esses livros.
Nunca li nada dessa autora, mas conheço sua fama, e o fato de ter escrito um romance de época me deixou ainda mais curiosa.
Fico feliz que tenha gostado, quem sabe um dia eu também me aventure hehe
Um beijo

www.asmeninasqueleemlivros.com

Lauri Brandão disse...

Oi. :)
Sou suspeita pra falar sobre romances históricos, pois são os meus favoritos.
Não conhecia esse livro, mas adorei saber mais um pouco e sua resenha ficou ótima. Me deixou curiosa pra conhecer.
Blog As Meninas Que Leem Livros - Lauri Brandão

Ana Paula Medeiros disse...

Oi! Eu tenho um certo preconceito quanto a romances de época escritos recentemente, mas como simplesmente AMO os livros da Meg Cabot já fiquei encantada com a obra desde o lançamento. A premissa me lembrou bastante Orgulho e Preconceito, onde Lizzy se encanta com o Wickham e detesta os modos orgulhosos do sr. Darcy hehe
Parabéns pela resenha!
Beijão!

Speak Cinema disse...

Hi baby, tudo bem? eu adoro romances de época e eles não são muito do feitio da Meg Cabot mas gostei das coisas que você ressaltou na resenha, parece ser realmente um livro bem leve e divertido de ler, acho que vou finalmente fazer essa leitura!

Lilian Valentim
https://speakcinema.blogspot.com.br/
beijinhos

Diane disse...

Olá...
Adorei sua resenha!
Já li VICTORIA E O PATIFE e ameeei a leitura <3
Diferente de você, eu adoro romances de época e assim desde que a editora lançou esse livro fiquei super entusiasmada para ler! Achei os personagens encantadores e a leitura é tão divertida que consegui ler em apenas um dia!
Bjo

Diane disse...

Olá...
Adorei sua resenha!
Já li VICTORIA E O PATIFE e ameeei a leitura <3
Diferente de você, eu adoro romances de época e assim desde que a editora lançou esse livro fiquei super entusiasmada para ler! Achei os personagens encantadores e a leitura é tão divertida que consegui ler em apenas um dia!
Bjo

Postar um comentário

 
© Uma dose de Cacto - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Dear Maidy. Tecnologia do Blogger.
imagem-logo