RESENHA! O caminho de casa

domingo, 8 de outubro de 2017
Titulo: O caminho de casa
Autora: Yaa Gyasi
Editora: Rocco
Nº de Páginas: 448
Sinopse: "Nascida em Gana e criada nos Estados Unidos, a jovem Yaa Gyasi tornou-se um dos nomes mais comentados na cena literária norte-americana em 2016. Seu romance de estreia, O caminho de casa, recebeu resenhas estreladas dos mais importantes jornais e revistas do país, alcançou a disputada lista dos mais vendidos do The New York Times, foi incluído na prestigiosa lista dos 100 livros notáveis do ano do mesmo jornal e arrebanhou o prêmio PEN/Hemingway de melhor romance de estreia. Com uma narrativa poderosa e envolvente que começa no século XVIII, numa tribo africana, e vai até os Estados Unidos dos dias de hoje, Yaa mostra as consequências do comércio de escravos dos dois lados do Atlântico ao acompanhar a trajetória de duas meias-irmãs desconhecidas uma da outra, e das gerações seguintes dessa linhagem separada pela escravidão"



*Livro cedido em parceria com a editora

Eu não estava preparada psicologicamente pra esse livro, definitivamente não estava, acho que se eu olhar bem pro meu exemplar, dá pra ver o quão molhado ficou após eu chorar taaaanto! Falar, ler sobre escravidão é sempre muito doloroso pra mim, quando solicitei essa obra não fazia ideia de como a autora iria tratar esse tema de modo tão meticuloso e iria mergulhar tão profundamente em cada um dos aspectos da escravidão.

Effi e Esi são irmãos mas não fazem ideia disso, nunca se encontraram, uma não sabe da existência da outra mas passam por processos dolorosos bastante parecidos, cada qual sofre com a escravidão de um modo diferente, mas ambas sofrem na carne a dor por ser negra.
 Effi sempre sofreu muito, nascida na aldeia, filha de um homem respeitado a garota é odiada por sua "mãe" mulher essa que faz coisas horríveis com ela, desde violência física até joguinhos psicológicos, a garota é ingênua e se deixa levar, aqui pode-se ver o ponto alto da maldade do ser humano, a mulher foi capaz de arruinar o casamento de Effi para que ela não ocupasse um lugar de prestígio na aldeia, fazendo com que a garota fosse vista como "doente" por muitos moradores e desse modo ela acaba sendo vendida aos ingleses. As coisas melhoram de certo modo, se casando com um grande homem inglês ela passa a viver em um confortável castelo, tem um filho, ocupa uma posição de privilégio em relação à tantas outras mulheres negras.
 Esi por outro lado, não tem muita sorte, sempre vista como o contrário de Effi, ela é dona de uma beleza única, amada por todas e muito bem tratada por sua mãe, prometida a um casamento que tinha tudo para dar certo é raptada após um ataque em sua aldeia. Ela é levada para um dos calabouços do Castelo de Cape Cost e sofrerá em condições precárias, sua irmã Effi vive no conforto desse castelo, enquanto Esi vive no calabouço, essa ironia chega a ser triste.
 Sendo assim, Esi é levada por um navio negreiro para ser então feita de escrava do homem branco de poder aquisitivo eurocentrado.
 Tudo isso é triste demais e esse é o pano de fundo do início da história, narrada de modo inovador, como se fossem contos que se interligam, você acompanha como a venda dos corpos negros se iniciou, como as mulheres foram sexualizadas e como o homem branco apagou e silenciou a negritude.
 O livro é MUITO cansativo, pesado, demorei tempo demais para lê-lo, hora porque não aguentava ler todas aquelas agressões aos negros, hora porque a narrativa em si era cansativa. A história foi muito proveitosa, me fez refletir sobre muitos aspectos mas fica a dica, leia se tiver estômago, esse livro é quase um soco.

"-Os brancos têm escolhas. Eles podem escolher o emprego, escolher a casa. Eles podem fazer filhos negros e depois desaparecer como se nunca tivessem estado por ali, pra começo de conversa. Como se essas negras com quem eles tinham ido pra cama ou que tinham estuprado tivessem dormido consigo mesmas e ficado grávidas. Os brancos também escolhem pelos negros. Antes, eles os vendiam. Agora, simplesmente mandam pra cadeia, como fizeram com meu pai, pros negros não poderem estar com os filhos. Pra mim, é de partir o coração te ver, meu filho, neto do meu pai, aqui com esses bebês andando pra lá e pra cá no Harlem que mal sabem teu nome, muito menos conhecem teu rosto. Só consigo pensar que não é assim que devia ser. Tem coisas que você não aprendeu comigo, coisas que são do teu pai, mesmo que não o conheça, coisas que ele aprendeu com os brancos. Fico triste de ver meu filho, drogado, depois de todo o meu esforço, mas fico ainda mais triste de te ver achar que pode ir embora, como teu pai foi. É só você não parar de fazer o que faz, e o branco não precisa fazer mais nada. Ele não precisa te vender, nem te pôr numa mina de carvão para ser teu dono. Ele é teu dono desse jeito mesmo, e ele vai dizer que você é o responsável. Vai dizer que a culpa é tua."
Willie e Sonny, p. 388-389



12 comentários:

Cabine de Leitura disse...

Gosto desta temática, amo livros e afins que abordam este tema tão triste na história da raça humana, mas tenho um receio enorme de começar uma leitura e ela começar a se arrastar de tão pesada que é, leitura angustiante me faz querer parar, preciso estar muito bem psicologicamente para elas.
Obrigada por apresentar a obra.

Beijos.
https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

Dryh Meira disse...

Oiee ^^
Realmente, esse livro não é para se ler tudo de uma vez. Quando comecei a lê-lo, não imaginei que fosse ser tão pesado quanto foi. É um livro que me marcou muito, seja pela maneira como as histórias são narradas (eu me sentia muito próxima dos personagens) ou pelos personagens, que sofrem tanto. Eu só torcia para que suas dores e humilhações acabassem logo :/
MilkMilks ♥
http://shakedepalavras.blogspot.com.br

Jessie disse...

Oi!!

Tudo bem? Que história pesada, e acho que realmente por essa atmosfera pesada eu não conseguiria ler muito da história de uma só vez, levaria algum tempo para terminar a obra.

Essa questão da narrativa ser cansativa me desanimou um pouco a ler porque talvez eu abandonasse o livro, mas que bom que persistiu e terminou. A questão das agressões aos negros durante toda a história é algo difícil de aceitar e acho que este livro quer nos fazer sair da mesmice e do conforto.

Enfim, eu ainda estou bastante dividida sobre ler ou não, mas com certeza vou pesar os prós e os contras que você mencionou.

Beijinhos - Jessie
www.paraisoliterario.com

Paraíso Literário disse...

Oi!!!

Eu achei o tema bem pesado, falar sobre escravidão não é fácil então acredito que ninguém está de fato preparado para ler um livro sobre o tema.

A narrativa intensa é legal, mas o fato de ser cansativa pesa muito contra o livro, entendo que não tem jeito obra que fala sobre algo tão brutal quanto a escravidão ser leve e divertida, então consigo ver como pede ser ser uma leitura opressiva e chegar a cansar o leitor, mas estou com muita vontade de dar uma chance para o livro.

Beijos - Aninha
www.paraisoliterario.com

Carolina Trigo disse...

Oi!

Eu vi recentemente esse livro numa livraria e fiquei bem interessada nele. Falar sobre escravidão já e um tema bem complicado, imagina para a autora que deve ter vivenciado isso mais de perto.
Imagino que seja um livro bem pesado e difícil de ser lido. Porém, acho que é um livro necessário para o atual momento do mundo.
Bjss

http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/

Jéssica Christina disse...

Oi, tudo bom?
O tema com certeza deve ser abordado, até porque não faz tanto tempo assim que isso tudo aconteceu. Mas não sei se conseguiria ler porque tanto a narrativa quanto as descrições me fariam desistir.

Livros & Café disse...

Oi, Tudo bem??

Até imagino como essa leitura deve ter sido difícil para você. Ler sobre esse tema nunca é fácil. Li um livro um piuco oarecuso recentemente e já quero ler eate também.obrigada pela dica!

Ivi Campos disse...

Faz tempo que não leio um livro assim, com uma história real relevante e que nos ensine algo forte. Dica mais que anotada.
Meu Amor Pelos Livros
Beijos

Nay Sartor disse...

Oie!

Essa obra não faz meu estilo de leitura, sempre procuro nos livros que leio algo mais leve e para sair da realidade, mas tenho uma amiga que é apaixonada por livros desse gênero e com certeza ela irá amar a leitura dessa obra e sofrerá como você no decorrer da história! Irei indicar para ela com certeza!

Bjss

Livreando disse...

A narrativa parece ser bem densa e palpável. Imagino os horrores que a obra tenta passar, e realmente, tem que ter estômago para prosseguir algumas vezes. Digo isso pq já li alguns livros com esse conteúdo e fiquei igualmente arrasada. Mas, sempre vale a pena.
Bjim!
Tammy

Tamires Marins disse...

Não duvido que o livro seja cansativo, temas muito fortes mexem mesmo com a gente e deixam uma coisa pesada, parece que a gente tá carregando toda a dor daquela trama, sei bem como é e até mesmo por isso não curto livros assim... nem com tema de escravidão, de guerra, de suicídio... eu não gosto de me sentir mal, sabe? Mas sei que livros assim são necessários justamente para fazer o leitor refletir. Que bom que gostou apesar do sofrimento. Rss

Beijocas

Polly - Entre Livros e Personagens disse...

Olá, tudo bom?
Livros que envolvam escravidão e segregação racial mexem muito comigo também, por isso acredito que realmente deve ter sido uma leitura cansativa. Mas acredito que essas leituras soco no estômago sejam muito necessárias e é por isso que continuo sempre lendo livros nesse estilo. Quero muito conferir este, que você disse ser escrito de forma inovadora através desses mini contos. Espero gostar tanto quanto você ♥ Amei sua resenha!
Beijos!

Postar um comentário

 
© Uma dose de Cacto - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Dear Maidy. Tecnologia do Blogger.
imagem-logo