Resenha- O ódio que você semeia

domingo, 29 de outubro de 2017
Titulo: O ódio que você semeia
Autora: Angie Thomas
Editora: Galera Record
Nº de páginas: 378
Sinopse: Uma história juvenil repleta de choques de realidade. Um livro necessário em tempos tão cruéis e extremos.

Starr aprendeu com os pais, ainda muito nova, como uma pessoa negra deve se comportar na frente de um policial.
Não faça movimentos bruscos.
Deixe sempre as mãos à mostra.
Só fale quando te perguntarem algo. 
Seja obediente.
Quando ela e seu amigo, Khalil, são parados por uma viatura, tudo o que Starr espera é que Khalil também conheça essas regras. Um movimento errado, uma suposição e os tiros disparam. De repente o amigo de infância da garota está no chão, coberto de sangue. Morto.
Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos - no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início.
Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa.
Angie Thomas, numa narrativa muito dinâmica, divertida, mas ainda assim, direta e firme, fala de racismo de uma forma nova para jovens leitores. Este é um livro que não se pode ignorar."



*Livro cedido em parceria com a editora

Essa com toda a certeza é a resenha mais feliz que faço no blog, nunca me senti tão representada, nunca vi meus ideais tão bem colocados por alguém que não faz ideia da minha existência. Creio que pela primeira vez eu realmente me vi como protagonista de uma história, longe de qualquer esteriótipo babaca sobre pessoas negras. Angie conseguiu dar um tapa na cara do leitor com luvas, meu coração chorou, levou tiros, riu e se permitiu amar, definitivamente já temos o melhor livro de 2017 e que graças ao Deus Negro(piada interna pra quem leu) vai virar filme!




 Starr é uma garota negra que desde muito cedo teve uma criação diferente de crianças brancas, você precisa entender que quando você é negro, a conversa mais séria que seus pais vão ter com você envolve um papo relacionado à policia, quando você é negro aprende a conter sua fúria, não fazer movimentos bruscos, só responder o que perguntarem, ser extremamente educado e nunca discordar, quando a polícia abordar você. Quem é de fora e não faz ideia dessa vivência, pode achar exagerado mas infelizmente é a nossa realidade. Eu sou uma garota negra, estudante universitária, sou tranquila e adivinha só? Todas as vezes que vou ao mercado sou seguida pelo segurança, é como se a minha cor já fosse um carimbo de má índole, é ridículo e racista, por mais velado que seja.
 Pois bem, Starr desde cedo aprendeu a se comportar de uma certa maneira para não virar estatística no índice de genocídio da população negra, ela de certa forma é privilegiada, estuda em um colégio particular muito bem conceituado, mas vive no gueto, graças a isso ela criou um escudo. No gueto ela é a garota negra que sempre foi, filha de um homem respeitado e que ninguém se atreve a entrar no caminho, na escola Starr é uma garota que procura se conter o máximo possível, ela tenta não alterar sua voz, ser sempre simpática e nunca contestar as amigas, ela faz de tudo para que as pessoas não façam aquela velha ligação idiota de que se você é negro, vai ser bravo, briguento e coisas do tipo, é como se ela tivesse uma personalidade para cada local que ocupa, isso soa preocupante, ela não pode ser quem gostaria, está sempre se policiando.
 Tudo vai bem, Starr segue se sentindo um pouco deslocada em seu bairro por nunca andar com o pessoal de lá, até que um dia resolve ir em uma festa e encontra seu amigo de infância, Khalil, ele mudou bastante, ela sabe que há algo de errado, que Khal deve estar andando com gente da pesada, enquanto vão embora a polícia para o carro de Khal e durante esse episódio ele é morto, Starr vê tudinho, um de seus melhores amigos morre na sua frente e isso não é a primeira vez. Não se assuste, não tem nada de spoiler aqui, esse é o pano de fundo para que a história comece a acontecer, Khalil morre na frente de Starr e por um momento parece que ela revive a infância, onde sua amiga também foi morta por uma bala, acontece que as coisas mudaram, quando mais nova Starr foi colocada em uma redoma onde todos protegiam a ela para que não tivesse ligação alguma com o ocorrido, uma testemunha silenciosa, agora as coisas são diferentes. A polícia tenta colocar Khalil como um traficante que tentou reagir, Starr sabe que a situação não foi essa mas para que os outros saibam ela precisa falar, ir contra tudo, policiais, imprensa, traficantes, para que sua voz seja ouvida ela precisa reconhecer essa luta como sua, enfrentar seus medos, deixar que seus dois mundos venham a se colidir e que assim a justiça seja feita.



Esse livro tem tantos pontos positivos que não sei nem por onde começar, é muita coisa! Primeiro, Starr é uma garota real, com medos reais, questionamentos que condizem com uma garota da sua idade, nada de fantasioso. Seus pais... Meu Deus, eu AMO o pai da Starr de todo o meu coração! Ele foi um homem perigoso no passado, negócios de família, passou anos presos e se redimiu, hoje faz o máximo para cuidar de seus filhos e protegê-los desse mundo violento, imaginem um homem enorme, do tamanho de um urso, todo tatuado, agora imaginem esse homem sendo a pessoa mais fofa e centrada do mundo, esse é o pai da Starr, eu sinceramente gostaria de tatuar todos os diálogos dele em mim, é simplesmente maravilhoso! Além disso ele levanta alguns questionamentos importantes, como relacionamento afrocetrado, caso você não saiba, são quando duas pessoas negras namoram, pra ele isso é importante, namorar alguém que passa pela mesma vivência que você te ajuda a crescer e resistir, e adivinha só? O namorado de sua filha é um garoto branco... Chega a ser fofo o ciúmes que ele sente. Já a mãe de Starr é.... É uma boa mãe, mas é meio apagada, creio que seja a única critica que tenho em relação ao livro, o pai dela ocupou um papel tão grande e importante na história, que a mãe acabou em segundo plano, os irmãos, cada qual com sua personalidade, mostram como essa família foi bem estruturada apesar de todas as adversidades. Chris é um garoto fofo, namorado de Starr, branco, rico e mesmo sendo o oposto do que a garota vive, ele consegue se colocar no lugar dela, empatia meus caros, Chris é o mister empatia! E é isso, a trama gira em torno desse pedido de justiça por Khalil, é surreal ver como a comunidade em que a família vive resolve reagir em relação a isso, a autora colocou os confrontos de maneira tão verdadeira que eu literalmente me senti em uma dessas brigas dos Panteras Negras, o cenário foi extremamente bem construído, eu arfava nas últimas páginas.
 O livro como um todo foi tão perfeitamente escrito que eu não sei como dar meu veredito final sobre a obra sem soltar alguns gritinhos, a obra tem a dose certa de crítica, o plot veio hora certa e as ultimas paginas são de arrancar os cabelos, você literalmente tá surtando! O amadurecimento de Starr é notável, ela se torna uma garota negra firme, direta, sem medo de ser quem é, onde quer que esteja, quando você termina a obra entende que ela se tornou uma mulher forte e que vai lutar pelos direitos de seus iguais. Eu me vi muito nessa leitura, lembrei de quando era mais nova e muitas vezes achava que não deveria fazer nada em situações de racismo, precisei passar por algumas coisas para entender que eu era como qualquer outra pessoa e a sociedade deveria aceitar isso, nem que fosse na base do grito.
 O ódio que você semeia é isso, uma protagonista negra NORMAL, nada de esteriótipo de empregada, melhor amiga da protagonista, nada disso, Starr é dona da sua história. Angie Thomas me fez querer semear amor depois disso tudo.






17 comentários:

Carolina Souza disse...

Eu já havia lido/visto muitas resenhas sobre esse livro, e quero muito, muito lê-lo, mas é a primeira vez que leio uma resenha dele vindo de uma pessoa negra. E eu achei maravilhoso. <3 Eu sou branca, mas sou gorda... É outro tipo de grupo que sofre muito preconceito, claro que de formas diferentes, mas entendo a importância e sei como é a felicidade quando a gente finalmente se sente representada! Agora estou com AINDA MAIS vontade de ler esse livro que já sei que vou amar muito. <3

http://anneandcia.blogspot.com.br/

Cabine de Leitura disse...

Um livro que está na minha lista de desejos só pelas resenhas que já li. Todas concordam que é uma das melhores leituras do ano e que realmente a história é um soco no estomago.
Não sabia que iria virar filme, então espero ler antes disso.

Feliz Halloween
https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

Livros & Café disse...

Oi.

Li este livro recentemente e foi uma das minhas melhores leituras deste ano. Fiquei encantada com a história do livro e com a escrita da Angie Thomas. Agora estou ansiosa pela adaptação. Espero que seja tão bom quanto o livro.

Maria Valéria disse...

é, eu ando lendo muitas opiniões positivas sobre esse livro, bacana ele trazer essa representatividade com personagens fortes e bem construídos e um enredo que prende e nos faz refletir...se tiver oportunidade, lerei. to curioosa com ele...
bjs :D

Maria Luíza Lelis disse...

Olá, tudo bem?
Eu estou louca para ler esse livro. Recebi meu exemplar recentemente e pretendo ler o mais rapidamente possível.
Adorei saber que a Star é uma personagem tão real, com sentimentos e dúvidas pertinentes à sua idade. Além disso, o que achei mais interessante é saber que é um livro tão representativo e que não cai em estereótipos.
Adorei sua resenha e fiquei ainda mais ansiosa para realizar esta leitura, que tenho certeza que será maravilhosa.
Beijos!

Alem de uma Prateleira disse...

Caramba esse livro parece ser muito bom, fiquei admirada com a forma que você fez essa resenha o que me deixou muito curiosa. Adorei a capa do livro. E a autora esta de parabéns por escrever sobre um assunto que infelizmente hoje ainda tem muito preconceito. É triste viver em um país que se diz tão avançado, mas que em relação ao racismo retrocede de uma tal forma.

Parabéns pela sua resenha e adicionei na wishlist.
Beijos

Lara https://amorliterrioerecomendaes.wordpress.com/ disse...

Olá, eu estou muito curiosa para ler esse livro só li resenhas positiva, e isso aumenta a minha vontade de ler vou comprar lo em breve e espero não me decepcionar com a leitura

Ivi Campos disse...

Em pleno 2017, onde já avançamos tanto na ciência e tecnologia, ainda precisamos discutir e refletir sobre a igualdade. è tão claro que eu nunca entenderei porque as pessoas acreditam que podem ser melhores ou maiores que outras em função de raça... Sério???
Devolve o mundo para os dinossauros porque não deu certo!!!
Quero muito ler este livro e tenho certeza que será uma leitura que me fará muito bem!!!
MEU AMOR PELOS LIVROS
Beijos

Barbara Sá disse...

Olá :)
Eu estou mega curiosa por essa leitura exatamente pelo motivo que você abriu essa resenha: não é uma história forçada. Fala sobre uma protagonista negra, seus medos e anseios, mas fala sobre uma garota, em especial.
Sua resenha me deixou curiosa e empolgada.
Que bom ver essa representatividade sendo tão apresentada na nossa sociedade, que seja assim.
Um beijo,
www.segredosentreamigas.com.br

Delmara Silva disse...

Oi,
quero muito ler esse livro. Acompanhei a divulgação da galera record e já na época me vi fisgada pela premissa dessa história, depois do lançamento foram tantas resenhas positivas que se tornou impossível não desejá-lo, estou aguardando a black friday para poder comprar os livros que estou querendo muito e este é um dos primeiros da lista.

Abraços!
Nosso Mundo Literário

Manuscrito Literário disse...

Eu já vinha de olho nesse livro desde que vi a capa nos blogs gringos.
A premissa e a hyper da história por si só já me deixaram instigada, sua resenha só aumentou minha curiosidade.
Acho que a abordagem desses tema é importantíssima e ajuda pelo menos um pouco a conscientização.
Beijos
www.manuscritoliterario.com.br

Tay Meneses disse...

Adorei suas impressões sobre o livro. Gostei também muito do enredo da história. Fiquei interessada em ler esse livro, mais pra frente, não sei quando, vou querer lê-lo. Obras como essas costumam fazer parte da minha estante.

Diane disse...

Olá...
Essa é a minha leitura atual e estou gostando demais ! Obviamente, não posso formar uma opinião ainda, pois não terminei de ler, mas, tenho certeza que será as melhores possíveis... Starr é uma protagonista encantadora e estou admirada com sua força e coragem.
Beijos

Stalker Literária disse...

Oi!
Estou MALUCA para ler esse livro, primeiramente porque amo a temática e livros assim só nos fazem pensar como devemos melhorar nossas atitudes e nos engrandessem, e segundo porque ele está sendo tão bem falado que é difícil achar uma coisa negativa nele.
Espero conseguir lê-lo, porque tenho certeza que é uma leitura incrível

Thayenne Carter disse...

Olá,

Desde antes de lançar tenho lido críticas positivas sobre essa obra. Ontem uma amiga me fez um p#t@ marketing desse livro e eu pirei! Quero para ontem! Ler sua resenha e saber que se sentiu representada só me deixa mais animada e curiosa para fazer essa leitura, espero que seja minha leitura favorita de 2017 também!

Beijos,
oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

Carolina Ramires disse...

Olá!
Eu estou vendo todo mundo falar super bem desse livro, nem preciso dizer que minha curiosidade estão a mil, não é? Adorei poder conferir a sua resenha, deve ter sido realmente uma ótima leitura para se tornar uma das suas favoritas!
Beijos.

Polly - Entre Livros e Personagens disse...

Olá, tudo bom?
Estou com esse livro aqui para ler e amei sua resenha! Amei a forma carinhosa que falou do livros, os pontos importantes e claro, essa personagem totalmente fora dos esteriótipos que costumamos ver em personagens negras. Adorei saber sobre esses diálogos do pai da personagem e da importância do mesmo na história. Este é um daqueles livros necessários e espero gostar tanto quanto você quando ler.

Beijos!!

Postar um comentário

 
© Uma dose de Cacto - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Dear Maidy. Tecnologia do Blogger.
imagem-logo