Cidade de selvagens

quinta-feira, 8 de março de 2018
Título: Cidades Selvagens
Autora: Lee Kelly
Editora: Galera Record
Nº de Páginas: 364
Sinopse: "A Terceira Guerra Mundial estourou há quase duas décadas. Manhattan transformou-se num campo de prisioneiros de guerra governado pela nova-iorquina Rolladin, que controla os sobreviventes com punhos de ferro. Para Skyler Miller, Manhattan é uma gaiola que a impede de conhecer o mundo. Mas para a irmã caçula de Sky, Phee, o campo de prisioneiros no Central Park é o único lar que ela poderia querer. Quando desconhecidos chegam ao parque com notícias surpreendentes, Sky e Phee descobrem que há muitas coisas sobre Manhattan – e a própria família – que sequer imaginaram. O livro de estreia de Lee Kelly é uma jornada de acelerar o pulso por uma cidade que é tão estranha quanto familiar, onde nada é preto no branco e os segredos enterrados podem destruir qualquer um."
*Livro cedido em parceria com a editora



Tenho que admitir que minha primeira impressão do livro não foi muito empolgante, mas quando comecei a ler ele se tornou uma grande surpresa. Eu sou muito apaixonada por distopias, são a maior parte dos livros que eu leio e Cidade de selvagens me surpreendeu por não ser “mais do mesmo”. É cheio de tensão e quando você pensa que tudo vai dar certo e que todos vão ficar bem, acontece algo que deixa tudo muito ruim e eles tem que lutar disfarçadamente pelas suas vidas ou tudo estará perdido.
O livro é dividido em três partes e cada capítulo é narrado pela perspectiva de uma irmã, o que foi uma coisa bem pensada pois em vários momentos elas estão separadas tentando salvar suas vidas e isso nos dá uma melhor visão de tudo o que está acontecendo. 






Cidade dos selvagens conta a história de duas irmãs, Phee e Sky, e sua mãe, que vivem na ilha de Manhattan após a terceira guerra mundial. Nesse universo distópico os Estados Unidos perde a guerra para os Aliados Vermelhos, e agora eles comandam a cidade de New York na qual criaram uma “prisão”, comandada por uma nativa, Rolladin, onde os prisioneiros de guerra trabalham e recebem ordens dos Aliados Vermelhos por meio de Rolladin. Essa “prisão” acaba se tornado uma sociedade, então eles não precisam ficar lá o tempo todo, Sky, Phee e a mãe delas, só voltam para o hotel Carlyle no inverno, para garantir sua sobrevivência e trabalham na colheita. No primeiro dia de trabalho quatro pessoas tentam entrar nos limites do território de Rolladin e são presos e é a partir disso que tudo muda. Eles são levados para julgamento no meio da noite enquanto Sky e Phee saem do quarto, o que é proibido, e vão para o terraço ler o diário da mãe delas, que conta tudo o que aconteceu antes e durante a guerra, sobre a qual a mãe delas nunca contou nada, ou seja, segredos são revelados. Acaba que elas são pegas e levadas para o mesmo lugar onde os novos prisioneiros estão sendo julgados e então descobrem que a guerra acabou e todos estão sendo mantidos presos ali por Rolladin sem necessidade. Elas, muito afrontosas que são, libertam os prisioneiros e fogem com eles, juntamente com sua mãe e Trevor, amigo delas, para os túneis do metrô e começam a descobrir muitas coisas sobre o resto da cidade, a guerra, o passado de sua mãe, lendo o diário que ela não sabe que elas têm, sobre o que está acontecendo além do Estados Unidos e sobre o que o destino reserva para eles.
 É claro que no meio disso tudo tem romances, um triângulo amoroso, amor não correspondido, muitas surpresas, mas tem duas coisas que eu gostei muito: a autora falar bastante da família e como devemos valorizá-la, e sobre amor entre pessoas do mesmo sexo. Que são temas muito importantes, e que de certa forma acabam desconstruindo a visão singular de família que muitas pessoas ainda tem, família nem sempre é a sua definição, família não é algo sólido e imutável.
Se você gosta de distopias como The Hunger Games, Maze Runner ou a trilogia Legend e muita tensão esse livro é perfeito para você. Espero que tenha uma continuação e que vocês também curtam, assim como eu.


Não é assim tão complicado. Sobreviver significa o parque, e o parque significa as regras de Rolladin. –



20 comentários:

Fernanda Barroso disse...

Olá!

Eu amo, amo, amo distopias e adorei a premissa desse livro. Estou realmente inclinada em ir conhecer mais, em ler o livro, pois sua resenha me deixou muito curiosa.

Abraços

Bruna Costabeber disse...

Olá!
Adoro o gênero e fiquei muito animada por saber que essa distopia foge do mais do mesmo. Também gostei muito da forma como os personagens parecem ter sido construídos só torci o nariz por conta do triângulo amoroso que eu não consigo curtir mais nos livros, entretanto, é uma dica valiosa.
Beijos

LiteraKaos disse...

Amo distopias, mas depois que li legend e não gostei nadinha, fiquei meio desiludida...
Entretanto esse enredo me deixou bem curiosa....
Vou anotar sua dica!
Obrigado!!

Beijinho!

#Ana Souza
https://literakaos.wordpress.com

Beatriz Andrade disse...

Eu não gosto muito de ler distopias, mas quando alguma me chama atenção eu leio. Eu não conhecia esse livro e fiquei bem curiosa com ele, gostei bastante da sua resenha e espero poder realizar a leitura em breve.

Book Obsession disse...

Olá!
Essa capa é bem chamativa e apesar do enredo trazer várias nuances não me sinto atraida para embarcar na leitura, mas para os fãs de distopias, pode ser uma boa dica.
Mesmo assim gostei de conhecer um pouco mais dessa história e da sua experiência com essa leitura.
Beijos!

Camila de Moraes.

D e s s a disse...

Menina, eu também amo distopias! Eu recebi mês passado esse livro, e estou louca para ler. Que bom saber que ele foge da mesmice, fiquei ainda mais empolgada pela leitura. ♥
beijos
www.apenasumvicio.com

Ana Caroline Santos disse...

Olá, tudo bem? Confesso que não estava dando muito para o livro, mas sua frase final me conquistou haha Sou fã de Jogos Vorazes e Maze Runner, então darei uma chance. Não conhecia o livro confesso, e a capa não é uma das melhores. Espero também me surpreender e no final gostar!
Beijos,
diariasleituras.blogspot.com.br

Mari disse...

Eu gosto muito da sinopse e da ideia dessa distopia, a única coisa que não me atrai é saber que existe um triângulo amoroso ali.
Beijos
Mari
Pequenos Retalhos

Cabine de Leitura disse...

Gosto de distopias, mas gosto ainda mais da ideia de inovação dentro deste gênero, sem dizer que os temas abordados no decorrer da trama é bem pertinente. Não conhecia o livro, mas adorei a capa e a premissa. Quero ler.

Abraços.
https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

Ana Paula Lima Miranda disse...

Oiii!

Eu não sou muito fã de distopias, eu prefiro as adaptções do que as obras mesmo. Gostei de ver sua resenha, mas não leria no momento.

PS: A capa é lindinha <3

Beijinhos,

Nina Spim disse...

Oi, tudo bem? Faz algum tempo que não leio distopias, porque acho que enjoei, mas essa me conquistou por ter duas protagonistas mulheres e por falar de homossexualidade. Não gosto muito quando triângulos amorosos ou romances aparecem nessas tramas, porque acredito que o real objetivo vai perdendo a importância, mas encararia esse de boa - até a capa me chamou bastante atenção. Vou deixar na minha lista de desejos da Amazon, com certeza. Obrigada pela dica! <3

Love, Nina.
www.ninaeuma.blogspot.com

Stalker Literária disse...

Oi! Achei o universo criado super interessante! Uma distopia em uma NY desolada e destruída! não sou muito fã desse estilo de escrita, sempre me canso no meio da leitura e abandono o livro. Mas anotei a dica por você ter mencionado que se surpreendeu com a leitura por não ser mais do mesmo.
Bjoxx

Porre de Livros disse...

Não sabia da existência desse livro e, assim como você, gosto muito de distopias. Acho que elas trazem questões importantes de serem abordadas, mas as que li não li nada sobre amor entre pessoas do mesmo gênero. Então, uma boa dica pra mim que gosto de distopias com assuntos diferentes.

www.porredelivros.com

Jéssica Melo disse...

Olá, eu não conhecia esse livro, mas pelos seus comentários ele parece estar com um enredo bem bacana e ótimas personagens *-* Adorei a dica.

Poesia na Alma disse...

eu gostei da capa, mas não curti a sinopse, também me causando uma primeira impressão não das melhores. fico feliz que tenha sido uma grande surpresa para você, pois por causa de sua resenha, me interessei pela obra, espero gostar também.

Tahis disse...

Olá!
Não conhecia esse livro, lembro que quando começou a ser lançadas distopias e mais distopias eu queria ler tudo ao mesmo tempo, e acabei meio que achando todas parecidas rs' e lendo essa resenha, me bateu uma vontade de ler, a premissa é bem diferente, me deixou intrigada! Vou colocar na lista do Skoob! ótima resenha!

beijos!
https://blogdatahis.blogspot.com.br/

Caos da Leitura disse...

Oi, tudo bem?
Acho que esse livro encaixa na minha lista de distopia. Fiquei um pouco confusa, mas, eu me amarro em histórias que trazem um contexto diferente da realidade, mudando o rumo dos acontecimentos reais. Adorei sua resenha, vou adicionar minha lista de leitura. Obrigada pela ótima resenha! Beijos

Nilton Alves disse...

Adorei a capa, gosto muito de livros que abordam um futuro pós-apocalíptico. Sua resenha está perfeita. Parabéns.

Tiffannyk disse...

Muito tempo que não leio distopia, e é um tema que eu gosto tanto.

Achei esse livro muito maravilhoso, essa vibe Katiness Everdeen é muito boa, me lembrou um pouco a série 3%, já viu?

Beijos
thereviewbooks.com.br | @thereviewbooks

Livros Encantos disse...

Ola lindona adoro distopias e pelo visto lendo sua resenha essa foi muito bem desenvolvida, não conhecia o livro e já anotei a dica, estou curiosa com a história das irmãos e os romances. BEIJOS

Joyce
Livros Encantos

Postar um comentário

 
© Uma dose de Cacto - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Dear Maidy. Tecnologia do Blogger.
imagem-logo