RESENHA É assim que acaba

sexta-feira, 27 de abril de 2018
Título: É assim que acaba
Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Nº de Páginas: 368
Sinopse: "Lily nem sempre teve uma vida fácil, mas isso nunca a impediu de trabalhar arduamente para conquistar a vida tão sonhada. Ela percorreu um longo caminho desde a infância, em uma cidadezinha no Maine: se formou em marketing, mudou para Boston e abriu a própria loja. Então, quando se sente atraída por um lindo neurocirurgião chamado Ryle Kincaid, tudo parece perfeito demais para ser verdade. Ryle é confiante, teimoso, talvez até um pouco arrogante. Ele também é sensível, brilhante e se sente atraído por Lily. Porém, sua grande aversão a relacionamentos é perturbadora. Além de estar sobrecarregada com as questões sobre seu novo relacionamento, Lily não consegue tirar Atlas Corrigan da cabeça — seu primeiro amor e a ligação com o passado que ela deixou para trás. Ele era seu protetor, alguém com quem tinha grande afinidade. Quando Atlas reaparece de repente, tudo que Lily construiu com Ryle fica em risco. Com um livro ousado e extremamente pessoal, Colleen Hoover conta uma história arrasadora, mas também inovadora, que não tem medo de discutir temas como abuso e violência doméstica. Uma narrativa inesquecível sobre um amor que custa caro demais."
*Livro cedido em parceria com a editora

 Colleen é uma das minhas autoras favoritas, antes de mais nada a sua escrita é maravilhosa, independente do número de páginas você se sente animada com a história, e sem dúvidas isso é um fator que conquista o leitor. Quando soube que esse era um dos lançamentos de 2017 da Galera Record minha animação triplicou! Sempre ouvi que esse era um dos melhores livros da autora, e apesar de algumas ressalvas, sou obrigada a concordar, eu esperava por um romance clichê e dei de cara com uma baita realidade.
 Lily parece simplesmente não ter sorte com qualquer figura masculina que faça parte de sua vida, em sua memória, os momentos mais marcantes com seu pai eram quando ela ouvia os gritos enquanto ele batia em sua mãe, a garotinha sempre soube o que acontecia, mas sempre obedeceu sua mãe e procurava não interferir, no meio disso, ela conheceu um rapazinho que se abrigava em uma casa abandonada, sempre com roupas rasgadas, passando fome e frio, Lily fugia do caos que era seu lar para compartilhar momentos sinceros com Atlas, uma criança de rua que se não fosse pela garota, provavelmente estaria morto. Mas por que isso importa? Lily hoje em dia é uma mulher madura, após voltar do enterro do seu pai ela resolve ir dar uma respirada em um prédio e dá de cara com um rapaz tendo um acesso de raiva, mas mesmo sendo um completo estranho Ryle é agradável com ela, dá dicas para não desistir do seu sonho de ter uma floricultura e consegue despertar uma chama no seu coraçãozinho, logo em seguida ambos vão para seus lares e tudo acaba, nunca mais se encontram, ao menos assim que deveria ser.
 Animada com o conselho de um belo desconhecido, Lily resolve abrir a sua floricultura, por sorte ou ironia do destino acaba contratando a primeira moça que se apresenta pedindo um emprego, Allysa é uma mulher rica com tempo livre demais, e vê no emprego uma oportunidade de ajudar e passar as horas do seu dia se divertindo. Mas no primeiro dia há um acidente e Lily descobre que a moça que acabou de contratar é irmã de Ryle, ele é um médico com futuro promissor e o destino parece conspirar para que fiquem juntos, mas você conseguiria se desvencilhar de um relacionamento abusivo quando a pessoa que você mais ama é a que te machuca?




 Eu tô acostumada com os clichês de Colleen e simplesmente perdi o ar com essa leitura, ela transforma esse romance em algo único, você se encanta por Ryle na hora, quer um homem desse, alguém engraçado, lindo, sexy e pronto para ser seu porto seguro, quando você se apaixona por esse homem vem o primeiro soco, em Lily e no leitor. Esse livro foi muito além do que eu esperava, a construção do relacionamento abusivo foi muito real, você conhece alguém, se apaixona e o romance é lindo, mas depois de um bom tempo essa pessoa muda e se torna alguém que você não conhece, esse alguém é violento no âmbito psicológico e físico, mas foi só um surto, foi só estresse do trabalho, foi só sem querer, a violência pode ser justificada, certo? Errado! Nenhuma explicação dada por Ryle nem por nenhum outro homem pode justificar a violência. Vi muita gente reclamando de como a autora pareceu romantizar a relação, mas sinceramente... Para uma mulher casada e com certa história, imagino que seja difícil de sair de uma relação tão dependente quanto essa, é doloroso ver isso acontecendo mas somos meros espectadores, para quem vive de fato é diferente.
 Já Atlas... Que homem! Depois de tantos anos ele venceu na vida e se tornou dono de um restaurante incrível, anos depois acaba encontrando a garotinha que lhe ajudou e pra variar a conexão é imediata, um segundo romance cresce a mercê dessa dor toda, e é justamente aí que tenho algumas ressalvas. Talvez o livro tenha sido curto demais, a autora tinha um bom tema para trabalhar, sua escrita é maravilhosa, o plot foi incrível mas Atlas... Ela não o desenvolveu como ele merecia, eu senti que ela não aproveitou nem metade do que esse personagem parecia oferecer. A história como um todo pareceu correr do final em diante, tudo acontece de maneira muito rápida e me ficaram alguns questionamentos, gostei do final, achei coerente e doloroso, mas foi direto, curto e grosso, não parecia CoHo escrevendo. Eu não sei o que sentir, amo esse livro e a sua mensagem mas não simpatizo com a maneira que o final foi conduzido. O livro alterna entre o presente e trechos do diário da protagonista, onde ela cita as cenas de violência que vivenciou na infância, um adendo importante é que a autora fez questão de colocar como essa história é mais real do que se pode imaginar, sua mãe sofreu com isso e foi através da escrita que ela encontrou um meio de relatar a dor da mãe e assim homenageá-la. 
 Em relação à capa e trabalho gráfico... Tá lindo demais! A Galera sempre arrasa e isso é incontestável.



“Todo mundo erra. O que determina o caráter de uma pessoa não são os erros cometidos. É como ela usa esses erros e os transforma em aprendizados, não em desculpas.”

19 comentários:

Jis Rocha Nossas Leituras disse...

Ola
da autora só lip Slamed e Ugly Love, apesar das recomendações que recebo, acho que dependendo do livro temos um momento certo para ler. Li a pouco um livro com um tema parecido, e acabo dando um tempo entre um e outro, mas esta na minha lista.
Que om que vc gostou, apesar de achar o final corrido demais.
Bjus

Cabine de Leitura disse...

Quero muito conhecer a escrita da Colleen Hoover, vejo tanto elogios quanto a seus livros. Esse livro em questão tem levantado certos debates quanto a suposta romantização da violência domestica, como eu não não posso opinar, apenas observo. Como nunca li nada dela, não tenho parâmetros de escrita, então posso saber se gosto ou não do contexto geral.

Abraços.
https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

Luiza Helena Vieira disse...

Esse livro é o melhor livro da Colleen de longe. Amei demais essa leitura, assim como sofri demais. A mulher provou mais uma vez que é possível escrever de tudo.
Beijos
Balaio de Babados

D e s s a disse...

Li poucos livros dessa autora, mas já me viciei em sua escrita. Tenho esse liro na estante e não vejo a hora de ler. Que pena saber que o personagem não foi bem desenvolvido e o final foi corrido. :/
beijos
www.apenasumvicio.com

Ana Caroline Santos disse...

Olá, tudo bem? Realmente é um dos livros mais impactantes da autora, e senti ele mais profundamente do que pensava. Não acho que foi corrido como sua opinião, e o final para mim foi o mais acertado possível, afinal a vida não é um mar de rosas que TUDO dá certo (e convenhamos que todos os livros da autora se encaminha para um final feliz "fechadinho"). Não vejo também romantização de abuso (vide o erro que ela deu em Ugly Love) e para mim é uma das obras mais sensatas dela. Não é minha favorita, mas senti, chorei, sorri com É Assim que Acaba. Ótima resenha!
Beijos,
http://diariasleituras.blogspot.com.br

Tamires Marins disse...

Oi, Day

Amiga, você sabe que sempre leio tudinho, mas quando o assunto são os livros da CoHo eu não leio nada a respeito. Tenho uma relação bem particular com a autora e seus livros, compro sem saber de nada e gosto de ler sem saber de nada. O livro dela que vai ser lançado em julho lá nas gringas,por exemplo, comprei quando não tinha nem capa! Hahahahaha
Só por isso que não li sua resenha, ok? <3


Beijos
- Tami
https://www.meuepilogo.com

cris disse...

Oi tudo bem? Adoro a Colleen seus livros são maravilhosos, sua escrita fantástica. Infelizmente esse ainda não li, mas tenho ouvido muitas recomendações sobre ele, esse livro parece ser pesado sobre os abusos e violência doméstica, parabéns pela resenha, me deixou curiosa sobre a leitura e ao mesmo tempo com sentimento de revolta, mas vou ler tenha certeza disso. Bjs!

Gabrielly Marques disse...

Esse livro parece ter muitos gatilhos para quem já passou por relacionamentos abusivos... Parece mesmo um livro bem forte. Eu já li alguns livros da Colleen e simplesmente amo a escrita dela, seus enredos e personagens. Os romances são de arrancar o fôlego mesmo!
Espero ter a oportunidade de ler esse também e gostar :D Adorei a resenha!!

Beijos

Ju disse...

Que estranho esse final direto, curto e grosso... Acho que vou estranhar. Mas amo a autora e vou ler de qualquer maneira, o enredo me atraiu muito e tenho certeza que mesmo que eu tenha a mesma impressão de final mal conduzido a leitura vai valer a pena. Sempre vale. Colleen sempre me destroça.

Camila disse...

Apesar de ter gostado bastante da sua resenha e ter visto que ficou empolgada com a trama, acho que vou deixar passar essa dica. Já li outros livros da autora e depois de um tempo comecei a achar tudo meio parecido e deu uma enjoada...
Beijos
Camis - blog Leitora Compulsiva

sophi clickn disse...

I think this book should be awesome i need to read it,thanks for sharing..

https://clicknorder.pk online shopping in pakistan

kênia Cândido disse...

Oi Dayhara.

Eu ainda não tive oportunidade de conhecer a escrita da autora, mas pela sua resenha, acho que será uma ótima experiência. A trama parece ser bem empolgante e vou adicionar na minha lista de desejados.

Bjos
http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

Delmara Silva disse...

Oi,
eu li esse livro recentemente e me apaixonei completamente porque além de ser uma história capaz de nos fazer sentir é também uma trama que foi escrita para nos fazer entender, não vejo como romantização mas vejo como uma forma de fazer com que o leitor vista a pele do personagem, tanto que assim como você e como a personagem me encantei pelo Ryle logo de cara, ele possui características atraentes que envolvem facilmente e quando a primeira agressão ocorreu fiquei muito chateada e com todos os meus alertas ligados, mas olhando pela perspectiva de Lilly não pude julgá-la pelas decisões que tomou, muito pelo contrário, consegui entender o porque de sua resistência em por um ponto final. Acho que essa a mensagem que a autora quer passar, que para quem está de fora é muito fácil definir um relacionamento e decidir o melhor caminho a seguir, mas para quem vive e sente de perto, não é tão preto no branco assim sabe? Tenho em mente que a Lilly poderia ter posto um ponto final na história desde a primeira agressão e provavelmente teria lhe poupado muito sofrimento, mas entendo sua relutância, afinal como a própria autora falou existe a chance dele mudar mas as vezes não vale a pena correr risco.

Abraços!
Nosso Mundo Literário

Maria Luíza Lelis disse...

Oi, tudo bem?
Eu li esse livro ano passado e reli agora que foi lançado pela Galera. Achei impressionante como a leitura foi igualmente doloroso nas duas vezes.
O que eu achei o maior tapa na cara que esse livro deu foi mostrar que não é fácil perceber que está em uma relação abusiva e, principalmente, sair dela. Nas primeiras vezes eu realmente acreditei que Ryle estava falando a verdade e que foi sem querer. Eu, como leitora, pude sentir a mesma dúvida que a Lily sentiu e a mesma necessidade de não querer acreditar que ele não era esse monstro.
No entanto, ao contrário de você, eu não senti necessidade de maior desenvolvimento do Atlas, porque acho que o romance entre eles não deveria ser o foco, e não acho que o final foi apressado. Achei que ela resolveu bem a relação da Lilly e do Ryle, que era o centro da história, e no epílogo mostrou como a vida dela seguiu. Mas vi muitas pessoas que também não curtiram muito e acharam apressado.
De qualquer forma, é uma leitura muito envolvente e importante.
Adorei a sua resenha!
Beijos!

Ivi Campos disse...

Ahhhhh esse livro!!!
Sem dúvida eu me junto a turma que declara esse sendo o melhor livro da autora, mas mais que isso, digo que este livro é um dos melhores que aborda este tema. Achei muito bem escrito e com a mensagem muito pertinente.
Beijos

Book Obsession disse...

Oi Day!
Esse livro me causou os mesmos sentimentos. Sou apaixonada pela CoHo e tenho todos os livros dela, mas nesse em particular senti que os personagens tinham cargas dramáticas enormes, porém deixou a desejar na condução deles, principalmente em relação aquele epílogo, ficou difícil de encarar, sendo que Atlas tinha tanto a mostrar. Ele merecia um final melhor, mas...autores são assim mesmo né...vai entender.
Beijos!

Camila de Moraes

Salvattore Mairton disse...

Os clichês de Coolen são os meus preferidos, são os únicos que não tem como não se apaixonar pela escrita perfeita da autora. Ainda não conhecia o lançamento, porém depois desta sua critica fiquei bem curioso para conferir. Dica anotada

Lucy disse...

Olá!
Sempre leio recomendações dos livros da autora, mas nunca li. Acho que tenho um ou dois comigo, mas cadê tempo?
Gostei da sua resenha, pelo menos me deu expectativa quanto ao que esperar da história. Fiquei aqui com os dedos coçando pra adquirir esse livro, mas vou deixar meu orçamento voltar ao normal, por enquanto. rs
Bjs
Lucy - Por essas páginas

Aninha Goulart disse...

Oiiii,

Collen é uma receita pra destroçar meu coração e deixar ele total e completamente em frangalhos! Esta obra é uma que desde o lançamento eu quero muito conferir e acho que a primeira resenha que eu vejo que não gostou muito de como o final foi conduzido, então acho que é um motivo a mais para conferir a obra e decidir por mim mesma rs.

Beijinhos...
http://www.paraisoliterario.com

Postar um comentário

 
© Uma dose de Cacto - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Dear Maidy. Tecnologia do Blogger.
imagem-logo