RESENHA A Parábola do Semeador

segunda-feira, 23 de julho de 2018
Título: A parábola do semeador
Autora: Octavia Butler
Editora: Morro Branco
Nº de Páginas: 416
Sinopse: "Quando uma crise ambiental e econômica leva ao caos social, nem mesmo os bairros murados estão seguros. Em uma noite de fogo e morte, Lauren Olamina, a jovem filha de um pastor, perde sua família, seu lar e se aventura pelas terras americanas desprotegidas. Mas o que começa como uma fuga pela sobrevivência acaba levando a algo muito maior: uma visão estonteante do destino humano ... e ao nascimento de uma nova fé."

*Livro cedido em parceria com a editora.







 Eu conheci a editora Editora Morro Branco por conta de Octavia Butler, quando eu soube que suas obras seriam finalmente traduzidas, decidi conhecer qual editora faria esse milagre incrível. Sempre me soou uma situação muito estranha, pra não dizer racista de maneira velada, que a maior mulher na ficção científica nunca houvesse sido traduzida, ser negra nessa questão, só "clareou" ainda mais os motivos. Octavia é uma escritora de renome no cenário mundial, não só por seus prêmios conquistados mas por escrever obras que atravessam as fronteiras do tempo, independente da época em que foram escritas, sempre vai se encaixar no cenário atual de alguma maneira, e nessas horas me pergunto porque Margaret Atwood, tem recebido tanta notoriedade, e Octavia não? Suas obras são igualmente sensacionais, mas o recorte racial presente em Octavia, que muitas vezes foi o motivo para impulsionar a minha leitura, aos olhos dos outros nem sempre é atrativo, pois bem, a Morro Branco ouviu minhas preces e tem traduzido suas obras porque reconhece a importância dessa representatividade e acima de tudo, reconhece o talento dessa mulher magnifica. Minha experiência com Kindred foi tão forte e impactante que hoje considero um dos melhores livros da vida! Por meio dele entendi como o contexto de escravização serviu para perpetuar hábitos que excluem minorias e que reproduzimos nos dias de hoje, Dana sempre vai ser uma personagem forte e sinônimo de resistência pra mim, mas já em A parábola do semeador... Lauren nem parece um ser humano de verdade, nem parece uma adolescente que amadurece enquanto sofre, Lauren me soa como uma entidade, consciente de seus valores e de seu poder de mudança, sabe até onde pode ir, e do que precisa para tal.
 O ano é 2024, em um futuro distópico os EUA passa por sérias mudanças, o cenário é um verdadeiro apocalipse, não há comida para todos e essa custa caro, água é um bem valioso e a segurança não existe, pessoas moram nas ruas, em construções abandonadas, andam sujas, tomar banho é um verdadeiro luxo, Lauren mora em uma das poucas comunidades que ainda são seguras, protegidos por portões altos e um muro maior ainda, a comunidade se esconde de uma civilização assustadora. Nesse ambiente eles tentam viver como uma pequena cidade, plantando seus alimentos, ensinando as crianças e ajudando uns aos outros, acontece que hora ou outra essa paz iria acabar, nao se pode esconder de um mundo que te engole, e após seu pai, um dos responsáveis pela comunidade morrer, e a mesma ser atacada, queimada e muitas famílias morrerem, Lauren se vê destinada a fugir e dar início a tão sonhada Semente da Terra, mas o que é isso?
 Lauren é a primeira filha de um homem integro, que sempre pensou no bem coletivo, pregador, casado com outra mulher e que sempre incentivou a educação para seus filhos, apesar disso, nunca deixou de treiná-los para caso algo acontecesse, Lauren e seus irmãos leem com frequência, mas também atiram, aprendem a plantar e tantas outras técnicas para sobreviver ao mundo caótico. Acontece que Lauren não é tão religiosa quanto seu pai espera, ela acredita em Deus, mas em um Deus diferente, o Deus da mudança, e pensando nisso ela criou A semente da terra, uma espécie de religião mas que não segue os preceitos de nenhuma outra, e visa o bem da comunidade. Criou mas ainda não colocou em prática, a Semente existe apenas em seus escritos e anotações, quando se vê sem ninguém, em um mundo violento e sem ter para onde ir, ao invés de sentir medo ela sente que essa é a chance para criar a sua comunidade.



 Meu Deus que livro! Assim que chegou, passei na frente de todas as outras leituras e não me arrependi nadinha! Octavia não soube dosar a mão para brincar com o meu coração. Após a destruição de sua comunidade a personagem principal decide fugir para uma outra região, a alguns milhares de quilômetros de distância, acompanhada de dois outros sobreviventes de seu bairro, ela parte, Lauren é muito inteligente, antes de tudo acontecer ela teve a esperteza de sentir que as coisas não iam bem, estocou comida, munição, roupas e até mesmo dinheiro, ela estava preparada para o pior, sempre esteve. Acompanhá-la em sua jornada é como ver uma líder nascendo, uma caminhada que iniciou com três pessoas e no final da obra terminou com uma verdadeira legião. Lauren é humana, mas tem um dom especial, ela partilha o sentimento de outras pessoas, principalmente a dor, então quando ela precisa atirar em alguém, matar alguém, ela sente a dor junto com quem sofre, inicialmente achamos que isso é uma fraqueza mas não é assim que as coisas funcionam...
 Sobre o cenário, tudo é perfeito e perturbador, a autora soube exatamente segurar as mãozinhas no que diz respeito aos detalhes, eu me vi caminhando nas estradas secas, me vi me escondendo de tiroteios e me desesperando pela vida de meus amigos, eu me vi na cabeça de Lauren, pensando em um mundo melhor e sentindo que sou a mudança e as coisas podem melhorar a partir das minhas ideias, assim como ela, me senti forte.
 Poderia ficar horas falando sobre essa belezinha, mas minha única dica é: Leiam Octavia, leiam até sua lista de compras, essa mulher é sensacional, suas obras escritas a tanto tempo seguem sendo reais, reais demais! Me vi assustada pelo rumo que nosso mundo vem tomando, mas consciente de que alguém muito antes de mim já vinha pensando nisso.

“As pessoas jogam coisas para nós as vezes – presentes de inveja ou de ódio: um animal morto cheio de vermes, um saco de merda, até um membro decepado de uma pessoa ou uma criança morta.”

26 comentários:

Helana Ohara disse...

Gente, eu conhecia a Octavia porque li um livro gringo dela e gostei bastante, assim como você adorei saber que seriam traduzidos, merecem a leitura.
A Parábola do Semeador não cheguei a ler e é um livor incrível - nota-se, as histórias são ótimas.

Carolina Trigo disse...

Oi!
Estou gostando bastante das edições da Morro Branco, além dos livros que elas estão lançando.
Desde que o "Kindred" foi lançado, estou ansiosa para conhecer a escrita da autora. Tenho ele em casa, mas ainda não consegui ler. Acho muito importante termos autores(as) colocando o racismo como um tema importante para os seus livros. Sobre esse novo livro da autora, apesar de ter achado muito linda a capa, não fiquei muito interessada com a história.
Bjss

http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com/

Larissa Dutra disse...

Olá, tudo bem? Já tinha visto os livros da autora por aí, porém não sabia que eram tão bons, rs. Lendo sua resenha pude ver o quanto você gostou da obra, e foi impossível não ficar curiosa para ler e desfrutar desta história também. Obrigada pela dica!

Beijos,
Duas Livreiras

Lara Xavier disse...

Olá,
Eu só vi a resenha do primeiro livro dessa autora e eu fiquei interessada em ler, mais esse novo livro dela a parábola do semeador não me deixou curiosa eu passo a dica

Camila disse...

Comprei aquela edição capa dura linda do primeiro livro da autora lançado pela Morro Branco, mas ainda não consegui tempo para curtir a leitura!! E agora descubro que a editora está lançando esse livro... Gente, preciso correr!!! Nem sei se vou gostar da escrita da autora e já quero mais esse livro!!
Sua empolgação me contagiou!
Beijos
Camis - blog Leitora Compulsiva

Sara Kerolen disse...

Oii tudo bem ?
Ainda não li nada da autora mais ela esta na lista de desejados tenho certeza que na hora q eu pegar algum livro dela irei me apaixonar só tenho ouvido ótimas coisas e isso me anima ainda mais
E fiquei bem curiosa com esse livro quero conhecer a escrita da autora.

Bjs

Debyh disse...

Olá,
Nunca li nada da autora, e nossa parece ser tão bom. Desde a pessoa tentar buscar uma nova saída e fazer com que tudo de certo, novos começos em histórias assim me chama a atenção. Muito boa a resenha!

Debyh
Eu Insisto

Fernanda Barroso disse...

Olá! Uma das coisas que eu adoro em livros distópicos é como eles, normalmente, sempre nos passam uma lição, pois é muito possível ver acontecendo exatamente o que acontece neles. O nome desse livro me lembrou religião, justamente por ter uma parte em que é contada a Parábola do Semeador e fiquei curiosa para saber se não tem uma ligação entre elas. Ótima dica!

Abraços

Subsolo da mente disse...

Nunca li nada da autora,mas fiquei bastante curiosa com esse livro.
Gostei de saber que você adorou a leitura,vou anotar sua dica e espero gostar bastante.
Beijos

Nay* disse...

Eu não conhecia a editora e nem o livro,mas achei a história bacana,sem falar que mesmo se passando no futuro, nem é um futuro tão distante assim,achei meio agoniante o poder da mocinha de sentir a dor que os outros sentem enfim é isso

Wesley Italo disse...

Esses livros que trazem essa verdade sobre o rumo me assutam um pouco, tem muito disso nas obras da Atwood. Já vi muitas coisas da Octavia e tenho muita curiosadade ler, pois me parecem ser grandes livros. É muito bom que a Morro Branco tenha finalmente traduzido as obras dela. Espero ler algo dela o quanto antes.
Beijos do Wes ^^

Cila - Leitora Voraz disse...

Olá, tudo bem?
OMG!!! Eu já conhecia Laços de Sangue, que também foi muito elogiado. Mas você escreveu sua resenha de forma tão empolgada, que é impossível eu sair daqui e não querer ler esse livro. Fui contagiada, risos.. Adorei sua resenha e estou louca para ler tudo da autora.
beijinhos.cila.
http://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

Cabine de Leitura disse...

Apesar de já conhecer a editora eu ainda não conheço a autora em questão, mas acredito que isso se deva ao fato de não ser muito ligada a ficção científica, mas no caso eu gosto de distopias e saber que esse livro foi tão impactante para você me anima a querer conhecer mais da Lauren e esse cenário perturbador criado pela autora. Vou anotar a dica.

Abraços.
https://cabinedeleitura0.blogspot.com/

Barbara M. Cabalero disse...

Oi.
Não conhecia a autora, mas fiquei encantada com a sua resenha. É estranho pensar como pessoas que viveram antes de nós conseguiram enxergar tão a frente de seu tempo.
Adorei a resenha e a indicação, com certeza pretendo ler assim que possível.
Beijos.

D e s s a disse...

Você falou tão bem sobre a autora e seus livros que preciso urgente pegar meu Laços de sangue e ler, mulher!! Tenho certeza de que vou amar os livros dessa autora, e é muito bom ver mulheres escrevendo ficção científica, é um gênero que eu amo, mas só vejo praticamente homens escrevendo sobre.
beijos

Ana Caroline Santos disse...

Olá, tudo bem? HAHAHAH ainda pretendo conhecer a escrita da autora, com toda certeza. Sempre vejo elogios sobre a mesma, e a editora ter apostado trazer suas obras pelo que vejo foi um grande acerto. Com certeza dica anotada <3
Beijos,
http://diariasleituras.blogspot.com.br

Luna disse...

Olá, Dayhara!

Acho que foi por causa da sua resenha de Kindred que eu desejei conhecer a autora! Kindred está na minha lista de futuras leituras e estou aguardando com ansiedade a oportunidade de lê-lo.

A Parábola do Semeador despertou minha curiosidade por causa do título e por ser da mesma autora, mas lendo sua resenha eu fiquei bem dividida. Não sei se é uma leitura boa para mim no momento. Acho que iria me impressionar muito com ele pelas questões abordadas. Acabaria me deixando muito angustiada. Como lerei O Conto da Aia em breve, deixarei A Parábola do Semeador para quando tiver descansado da outra leitura densa.

Bjs!

Polly - Entre Livros e Personagens disse...

Olá, tudo bom?
Se tem uma autora que eu preciso conhecer a escrita é essa! Fiquei super instigada com essa premissa neste futuro distópico em que os bens naturais são escassos e achei fantástica essa questão da personagem sentir a dor do outro e já quero conferir como isso vai ser abordado. Adoro protagonistas fortes e marcantes e tenho certeza de que esta vai me marcar muito ao decorrer da leitura. Sugestão mais que anotada! ♥
Beijos!

Ju disse...

Sinceramente, achei a premissa sensacional e enquanto lia a resenha fiquei com vontade de conhecer a autora. Mas aí, cheguei no quote no final, e desanimei um pouco... Não sei mesmo se é pra mim. Sei lá, acho que ela vai embrulhar meu estômago igual Margaret Atwood fez.

Book Obsession disse...

Olá!
Distopia não é muito minha preferência na hora de optar por uma leitura, mas você defende com tanta paixão a obra, a forma como a autora criou todo esse universo que fica impossível não se animar e querer dar uma chance pra leitura.
Vou anotar a dica pra conhecer em algum momento.
Beijos!

Camila de Moraes

Maria Luíza Lelis disse...

Olá, tudo bem?
Eu tenho visto muitos elogios para esse livro e minha curiosidade só aumenta. Confesso que ainda quero ler Kindred primeiro, porque ele está na minha lista de desejados há muito tempo. Porém, com certeza vou querer ler esse também.
Adorei ler sua resenha e ver o quanto você gostou do livro. Achei a premissa MUITO interessante e parece que ela foi desenvolvida com maestria pela autora. Fico muito feliz que tenha sido uma leitura tão boa e espero poder ler em breve também.
Beijos!

Livros & Tal disse...

Olá, tudo bem?

Confesso que não conhecia a autora, mas a sua resenha empolgante e essa premissa envolvente me fez ter vontade de conhecer a obra. Distopia não é muito o tipo de livro que eu adoro ler,mas acredito que esse merece uma chance.

Sobre a sua colocação a respeito da autora não ser conhecida por preconceito, achei meio ruim, tem certeza que é realmente por isso? Afirmar essas coisas é bem complicado.

Beijão

Milca Abreu disse...

ja to ansiosa pela leitura
parece ser muito bom e eu adorei sua resenha, ja to extremamente apaxonada

Delmara Silva disse...

Olá,
eu não conhecia a autora, conheci suas obras este ano e desde a primeira resenha que me interessei por suas abordagens, ainda não consegui comprar meus exemplares, mas eles já estão no topo da minha lista de desejos. Ter lido sua resenha aqui hoje só me deixou ainda mais certa de que preciso providencias essas leituras com urgência.

Abraços!
Nosso Mundo Literário

Ivi Campos disse...

Eu estou super curiosa para ler qualquer coisa desta autora porque realmente os temas trazidos e os elogios que leio e ouço por aí, estão me instigando demais. Você foi muito convincente nos seus argumentos e espero poder ler em breve.
beijos

Pamela Moreno Santiago disse...

Olá, tudo bem?

Eu cheguei a comprar um livro da Margaret, mas ainda não tive a oportunidade de lê-lo. O primeiro livro da Octavia eu até cogitei comprar. O problema é não ter sido realmente convencida disso, assim como com A Parábola do Semeador. Espero ler mais algumas resenhas e, aí sim, tirar minhas próprias conclusões.

Beijos
@blogodiariodoleitor

Postar um comentário

 
© Uma dose de Cacto - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Dear Maidy. Tecnologia do Blogger.
imagem-logo