Posts Recentes

RESENHA Isla e o Final Feliz

28 de março de 2018


Primeiramente: se Stephanie Perkins existe graças a Deus por que existe. Segundamente, Isla e o final feliz é o último livro da trilogia que não está sequencialmente conectada, mas eventualmente se conecta e faz parte do mesmo universo, ou seja, são três histórias distintas, no mesmo universo e que se conectam no final. 

Comecei enaltecendo Stephanie Perkins porque eu simplesmente amo a escrita dela. A alguns anos eu li Lola e o garoto da casa ao lado, segundo livro da trilogia, e fiquei apaixonada. Stephanie escreve de uma forma linda e verdadeira sobre dramas reais dos adolescentes, primeiro amor, a confusão que pode ser o ensino médio, decisões que podem mudar todo o futuro. Tudo isso com um toque parisiense, claro. Eu não li o primeiro livro da trilogia, Anna e o beijo francês, mas como o personagem principal, St. Clare, é o melhor amigo do personagem principal de Isla e o final feliz, Josh, dá para ter uma ideia do resumo do livro. Além do mais, no final desse livro os três casais se encontram em Paris e é lindo.

Agora falando do livro em si, Isla e o final feliz é um livro sobre encontrar a si mesmo, saber quem você é e amar a si mesmo para assim, e só assim, conseguir amar o próximo e compreende-lo. Isla, que se pronuncia “Aila” não “Assla”, é uma garota nova-iorquina que estuda na França, mais especificamente em Paris em um colégio chamado SOAP, Isla não tem planos para o futuro, ela está o último ano do ensino médio e não decidiu que faculdade fará ou o que quer fazer quando terminar o último ano. Nas férias de verão ela estava em uma cafeteria em New York quando vê Joshua Wasserstein, o amor da vida dela desde sempre, e acaba chamando ele para se sentar junto com ela. Eles conversaram bastante até que ela dorme encostada no vidro da cafeteria pois estava dopada com uns analgésicos para dor que ela havia tomado porque tinha acabado de tirar um dente do siso. Depois disso Josh leva ela para casa e ela chama, imediatamente, seu melhor amigo no mundo, Kurt, para contar tudo o que aconteceu. Isla sentia que Josh gostava dela, mas não queria dar falsas esperanças para si mesma em relação a isso. No outro dia ela vai novamente na cafeteria com Kurt para ver se encontra Josh novamente, mas não.

Joshua Wasserstein é filho no candidato a senador Sr. Wasserstein, a motivação da vida de Josh é o desenho, ele ama isso, desenha o tempo todo, até está fazendo uma autobiografia em forma de histórias em quadrinhos. Josh já sabe exatamente o que quer para seu futuro: ir para o Centro de Estudos De Desenhos Animados, e aprimorar seu conhecimento sobre a arte de desenhar. Josh estuda na mesma escola que Isla na França, só que ele não gosta da escolha e faz de tudo para ser expulso, mas nunca é.

Josh e Isla começam a se aproximar, ela não sabe ainda, mas ele é muito apaixonado por ela também. Depois de um mês namorando eles decidem viajar para Barcelona no final de semana, só que viajar para fora do país é proibido durante o ano letivo. A viagem é linda, eles conhecem vários pontos turísticos e tem a primeira vez um com o outro – sexo não é um tabu para os franceses, e a mãe de Isla é francesa, então isso não é um ponto alto do livro, mas para os personagens é – só que eles acabam sendo descobertos e Josh é expulso da SOAP por já ter muitos delitos e Isla pega detenção. Com a volta de Josh para NY eles ficam muito distantes e a soma de vários acontecimentos acaba abalando o relacionamento deles. Mas como diz o título do livro, existe um final feliz.

Se você gosta de romances que enchem o coração de felicidade e vontade de ter algo tão real quanto o que acabou de ler, esse livro é perfeito para você. Perkins escreve de uma forma mágica que me prendeu e fez com que eu me apaixonasse pelos personagens com Lola e o garoto da casa ao lado e repetiu o mesmo feito com Isla e o final feliz.
"Sempre peguei muito pesado comigo mesma. Mas não é melhor ser realista em relação a essas coisas antes que outra pessoa use isso contra você? Antes que alguém machuque você? Não é melhor que você mesmo faça isso? Sempre pensei que ser realista faz as pessoas serem mais fortes."

Título: Isla e o Final Feliz
Autora: Stephanie Perkins
Editora: Intrínseca
Nº de Páginas: 304
Sinopse: "Tímida e romântica, Isla tem uma queda pelo introspectivo Josh desde o primeiro ano na SOAP, uma escola americana em Paris. Mas sua timidez nunca permitiu que ela trocasse mais do que uma ou duas palavras com ele, quando muito. Depois de um encontro inesperado em Nova York durante as férias envolvendo sisos retirados e uma quantidade considerável de analgésicos, os dois se aproximam, e o sonho de Isla finalmente se torna realidade. Prestes a se formarem no ensino médio, agora eles terão que enfrentar muitos desafios se quiserem continuar juntos, incluindo dramas familiares, dúvidas quanto ao futuro e a possibilidade cada vez maior de seguirem caminhos diferentes. Com participações de Anna, Étienne, Lola e Cricket, personagens mais do que queridos pelo público apresentados em livros anteriores da autora, Isla e o final feliz é uma história de amor delicada, apaixonante e sedutora, um desfecho que vai fazer os fãs de Stephanie Perkins suspirarem ainda mais."

RESENHA Lute Como Uma Garota

27 de março de 2018


O que eu mais gosto nessa nova leva de leitores é como eles são empoderados e conscientes de que a leitura acima de tudo, deve ser representativa. Há uns três anos as editoras tem percebido a importância disso e traduzido muito mais obras que abracem todos os leitores, sejam eles negros, gays, lésbicas, trans, cara, isso é bacana demais! Por muito tempo só li livros com protagonistas brancas e quando lançaram O ódio que você semeia (tem resenha aqui) eu senti que aquilo foi um divisor de águas, sabe? Me ver em uma protagonista forte, que também ama, sem esses estereótipos sociais foi maravilhoso, mas melhor que isso, foi perceber como as coisas estavam mudando, como o mercado editorial tem caminhado lado a lado com o feminismo, movimento negro, LGBT, isso é incrível. Sendo assim, em um ato totalmente girl power a Editora Cultrix lançou Lute como uma garota, essa belezinha que tem como proposta mostrar personagens femininas marcantes e que contribuíram não somente pelo direito das mulheres, mas por tantas outras coisas também. 


Receber essa belezinha foi incrível, a começar pela capa que tem uma das pessoas que tanto amo, Djamila Ribeiro, ver ela lado a lado de outras mulheres sensacionais mostra como o cenário brasileiro também é crucial na busca pela igualdade. A proposta do livro apesar de simples é bem supimpa, uma lista com 60 mulheres MARAVILHOSAS que mudaram o mundo de alguma maneira. Eu fiquei imensamente feliz pelas escolhas, obviamente senti falta de algumas mulheres como por exemplo a Elza Soares mas entendo que o escopo do livro é o mundo todo, sendo assim, fica difícil encontrar apenas 60 mulheres incríveis em todo o nosso globo terrestre, mas isso não é algo ruim, o livro conta com uma representatividade sensacional, indo de Beyoncé até Malala. Ou seja, fica claro que cada mulher, independente do espaço social que ocupa pode fazer a diferença.


O livro conta com um design bem simples, apresentando o nome de cada uma das mulheres, o ano de seu nascimento e morte, uma frase marcante, quais os seus maiores feitos que fizeram com que ela merecesse espaço no livro, o seu legado, sua história, suas grandes realizações, frases famosas e uma ilustração lindona! Eu me apaixonei por esse livro, estava acostumada com obras nesse estilo, mas em um formato físico mais elaborado, capa dura, mas se você gosta de pesquisar história, curte algo mais simples e ainda assim com a sua beleza, essa é a dica, eu me senti MUITO representada, principalmente porque o número de mulheres negras presentes no livro é enorme, meu sorriso cresceu quando vi isso. A editora Cultrix pensou em cada detalhe, para agradar a cada uma. O livro ainda conta com um "especial" dentro da próprio obra, das 60 mulheres escolhidas, 15 ocupam um espacinho especial no capítulo Brasileiras que foram à luta - 15 perfis biográficos para entender a história do feminismo no Brasil, isso que é dica! 

Pois bem, se você busca entender um pouquinho mais sobre a luta feminista ou até mesmo a história de algumas mulheres que são vistas como referência no mundo todo, essa dica é mais do que obrigatória. 
"Você tem que sacudir as grades da sua gaiola. Tem que mostrar a eles que está ali e que quer sair. Tem que fazer barulho. Causar um reboliço. Talvez você não vença de imediato, mas com certeza vai se divertir mais."

Título: Lute Como Uma Garota
Autoras: Laura Barcella e Fernanda Lopes
Editora: Cultrix
Nº de Páginas: 368
Sinopse: "Estamos vivendo novos tempos: a discussão sobre os direitos das mulheres não se concentra mais em grupos específicos e a luta feminista amplia seu debate na sociedade. Da violência contra a mulher à cultura do estupro, uma série de questões é tema de conversa frequentes na mídia e nas redes sociais. Mas como chegamos até aqui? Quem nos ajudou nessa trajetória? "Lute como uma Garota", de Laura Barcella, reúne o perfil de figuras importantes da militância feminista, abrangendo as pioneiras do século XVIII e as estrelas pop dos dias de hoje, como Frida Khalo, Simone de Beauvoir, Oprah Winfrey e Madonna. E o livro não deixa de fora os nomes essenciais da luta no Brasil: em 15 perfis, com nomes como Djamila Ribeiro e Clarice Lispector, a jornalista Fernanda Lopes traz ao público um pouco de nossa história. Com ilustrações, prefácio de Mary Del Priore e apresentação de Nana Queiroz, Lute como uma Garota mostra a força dessas mulheres." *Exemplar cedido em parceria com a editora.

RESENHA Coragem

26 de março de 2018


Tenho certa dificuldade em ler biografias, me parece um pouco narcisista então acabo nem me interessando por esse gênero, acontece que algumas são realmente necessárias, como por exemplo Coragem, que mostra todo o percurso de Rose McGowan, seus altos e baixos, sua dor e o seu renascimento. Não é só uma biografia, é um grito de liberdade que foi silenciado por anos, creio que seja uma maneira inteligente de mostrar a importância do feminismo e de como juntas somos mais fortes.


Rose sempre chamou a atenção e os holofotes por conta de sua beleza, essa exposição que muitas vezes parecia problemática a atriz levava numa boa, mas todos temos os nossos limites, certo? E foi aí que ela chegou ao seu máximo, abriu mão de toda a vida de glamour em Hollywood. Imagine só, você vive a vida toda acostumado com fama, reconhecimento e um trabalho que você é vista como referência, mas a exposição e a pressão é tamanha que você decide abrir mão de tudo isso, porque sua mente e sua preservação valem muito mais.

Quando pensamos em fama e Hollywood sempre nos vem em mente uma imagem de perfeição, atrizes sem nenhum defeito, todas com um peso ok, sorridentes, bem vestidas e de boas condições financeiras, mas qual o preço disso tudo? Em um relato sincero e doloroso McGowan mostra quanto da sua sanidade mental foi levada em prol da fama, é doloroso demais ver como a figura feminina muitas vezes é anulada nesse cenários, os casos de abuso, humilhação, preconceito, exposição, tudo sempre levado ao limite porque a fama vale mais. É surreal ver como muitas mulheres se sujeitam a isso na esperança de ter um pedacinho seu na calçada da fama.

Eu nunca, nunquinha gostei de ler biografias, nunca tive interesse algum mas nesse caso Coragem foi um relato sincero sobre o feminismo! Como é preciso se empoderar e se rebelar contra aquilo que te oprime e silencia, Rose soube perfeitamente como mostrar que apesar de tudo ela segue sendo uma pessoa maravilhosa e que não abaixa a cabeça pra nada, que foi preciso passar por tudo isso pra entender qual era o seu lugar, lutando para ajudar outras mulheres. Creio que seja uma obra enriquecedora em todos os aspectos, se você tem curiosidade em saber como a indústria da fama funciona, como o machismo está enraizado em absolutamente tudo, essa é a dica perfeita. Durante grande parte da leitura eu senti a fragilidade da autora, no aspecto físico ou psicológico, mas em momento algum isso chega a ser demérito, mesmo frágil ela mostra como foi capaz de vencer a luta contra o abuso em todos os âmbitos, um verdadeiro símbolo feminino pronto para ser a força motivadora de outras mulheres.

Um relato extremamente cru sobre a vida de alguém real, falando abertamente sobre o perigo de seitas, sejam elas quais forem, as dores e cicatrizes do abuso sexual, o sofrimento pela pressão estética. Eu que não conhecia a autora, me tornei fã dessa mulher forte que não desistiu nem mesmo quando era perseguida. Obrigada por esse livro, HarperCollins, esse é um grito de liberdade e igualdade, e certamente serviu como um abraço para que outras mulheres não se sintam sozinhas. 
"Existe uma diferença entre ser sexual e ser sexy. Não há nada de errado nisso. Sexualizada é quando os outros fazem mudanças para o beneficio deles. Eu tinha participação naquilo. Não dizia não. Tinha perdido a minha voz. Tinha me perdido. Mas meu eu tentava me acordar desesperadamente."

Título: Coragem
Autora: Rose McGowan
Editora: HarperCollins
Nº de Páginas: 288
Sinopse: "ROSE McGOWAN nasceu em um culto e o trocou por outro, mais visível: Hollywood. Rose McGowan se tornou uma das atrizes mais desejadas de Hollywood da noite para o dia quando foi "descoberta" nas ruas de Los Angeles. O estrelato logo se tornou um pesadelo de exposição constante e sexualização. Todos os detalhes de sua vida pessoal se tornaram públicos, e as realidades de uma indústria inerentemente machista emergiam a cada roteiro, papel, aparição pública e capa de revista. Hollywood esperava que Rose ficasse quieta e cooperasse. Em vez disso, ela se rebelou e impôs sua verdadeira identidade e voz. Ela reemergiu sem roteiros nem desculpas, corajosa, controversa e sempre verdadeira. Liderando o movimento de denúncias de assédio sexual na indústria de entretenimento ao expor os crimes de Harvey Weinstein, Rose é hoje um dos rostos do movimento feminista e não hesita ao disparar verdades inconvenientes e exigir mudanças. CORAGEM é seu livro de memórias em forma de manifesto - um relato sem censura nem piedade da ascensão de um ícone millennial, uma ativista sem medo e uma força de mudança imparável determinada a expor a verdade sobre a indústria do entretenimento, trazer à luz uma indústria multibilionária construída sobre a misoginia sistêmica e empoderar pessoas ao redor do mundo a acordarem e terem CORAGEM." *Exemplar cedido em parceria com a editora.
Todos os direitos reservados 2019 |
Desenvolvimento por: Suelen Marques - Web Design
Para o topo!