Posts Recentes

Você acompanha blogueiros negros?

11 de fevereiro de 2019


Hoje o post é um pouquinho diferente do habitual, ele vem em tom de desabafo, gostaria de começar essa conversa perguntando para vocês, quantas blogueiras negras vocês acompanham? E no nicho literário especificamente, quantas pessoas que vocês acompanham são negras? Pode parecer algo bastante absurdo de se pensar, mas vou explicar o motivo desses questionamentos.


Nos últimos anos as editoras finalmente resolveram ceder um espacinho de seus lançamentos paras histórias com recortes raciais, mas nem sempre foi assim, com meus 25 anos, AGORA que me sinto representada, mas a adolescência foi um período extremamente triste, eu sempre fui leitora, mas nunca me vi nos personagens. Quando pensamos em blog a história é ainda mais triste, o Uma dose de cacto existe desde 2015 mas minha família e amigos só souberam da existência dele no finalzinho do ano passado, o motivo? Eu nunca me vi no meio literário, nunca achei que fosse um espaço pra mim e por isso sempre sentia muita vergonha. Eu trabalho ativamente com o blog tem muito tempo, com resenhas semanais e nos últimos anos ele serve como complemento da minha renda, mas eu sempre tive muita vergonha para falar aos outros que sou blogueira literária porque internamente, eu absorvia a ideia de que esse não era um espaço pra mim. Digo com tranquilidade, pelo menos 90% das pessoas que acompanho nos blogs literários são brancas, são pessoas incríveis e que admiro demais o trabalho, mas nos últimos tempos eu tenho me questionado o tempo todo, por onde anda a representatividade que lemos? O consumo não pode ficar estacionado só na leitura.


Vamos entender isso na prática? Pensemos em O ódio que você semeia, Kindred, Bruxa Akata, Hibisco Roxo, por exemplo, livros escritos por mulheres negras, que falam diretamente sobre a questão racial, livros que mostram como o racismo é uma questão estrutural, obras que mostram lindamente como a representatividade é algo importante, todas as obras citadas são sucessos de vendas. As resenhas são sempre positivas, todos se emocionam, compreendem as mensagens deixadas em cada narrativa, mas isso basta?

Não! Isso não basta, não é suficiente, queremos espaço e reconhecimento e pra isso precisamos de vocês, não basta só consumir esse tipo de obra, é preciso procurar por representantes em suas plataformas, indique sites literários feitos por pessoas negras, valorize esse trabalho, não receber reconhecimento por parte de editoras é desanimador, e do público é ainda pior. O primeiro passo para ajudar na luta por igualdade racial é reconhecer os seus privilégios, entender quão confortável pode ser a posição que você se encontra e a partir disso trabalhar ajudando minorias, dentro do espaço que você ocupa socialmente. Sendo assim, se você conhece alguma blogueira negra deixe aqui dicas! Não pense duas vezes em divulgá-las, procure meios para trabalharem juntas em prol do crescimento! Eu sempre estou aberta para projetos de leitura conjunta, bate papo, qualquer coisa, a plataforma do blog e o Instagram são canais abertos e fico feliz em falar dessas questões com vocês. Saiam da caixinha, questionem as editoras, quantos parceiros são negros? Quantos representam as minorias publicadas? Não somos só números. 

Ah, e aproveitando o momento, minha tatuagem que diz muito sobre a importância da representatividade! Essa é a Starr, personagem de O ódio que você semeia, marquei na pele a primeira vez em que me senti de fato representada. <3



Por fim, deixo aqui alguns projetos literários feitos por pessoas negras e que merecem mais reconhecimento.  Até a próxima! 

 Instagram:
 Ana Rosa
 Camillaeseuslivros

 Canais no Youtube: 

56 comentários:

  1. Olá Day!
    Eu nunca parei para pensar sobre isso porque nunca fiz qualquer diferenciação por classe, cor, mas imaginei o quanto isso deve te incomodar, assim como muitas pessoas que já devem ter passado por situações bem feias, tristes, por causa desse preconceito.
    É muito legal poder ver que o mercado está cada vez mais aberto as propostas literárias e leitores ávidos como eu tem apreciado cada vez mais as leituras, os questionamentos que vocês trazem. Recentemente li O Ódio que você semeia e fiquei bem chocada com muitas cenas, mas é bom esse tapa na cara da sociedade e torço para que cada vez mais ganhe espaço para discutir temas que são relevantes.
    Assim como acompanho o seu trabalho no blog, uma das minhas melhores amigas literárias é negra, a Paula do IG Literalmente Rosa e faz um trabalho bem bacana, assim como a Anne do Alfas Literárias.
    Infelizmente não tenho muitas dicas e referências pois algumas pessoas se escondem através de fotos de bonequinhas, outras tem vergonha de aparecer, mas eu respeito a escolha de cada um.
    Seu post como sempre traz reflexões importantes e vou olhar sua listinha de dicas para conhecer o trabalho do pessoal.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cami, obrigada pelo seu comentário, vou dar uma procurada nas meninas para conhecer o trabalho delas! Entendo que você não faça nenhuma distinção e realmente tens razão, por outro lado, para nós que vivemos diariamente o preconceito, essa distinção é feita socialmente, a intenção da postagem é usar esse mesmo recorte para mostrar o belíssimo trabalho de blogueiras negras. <3

      Excluir
  2. Olá!
    Eu particularmente nunca fiz essa diferença, para mim, sempre importou a qualidade do blog, se tem matérias boas, levo para vida, independentemente do blogueiro ser branco, negro, asiático e afins. Tanto que nem posso te dar um parâmetro por porcentagem, porque realmente nunca levei para esse viés. Mas gostei de sabe mais sobre sua opinião.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tammy, obrigada pelo elogio! A intenção da postagem é só pedir por mais representatividade e mostrar como existem blogueiros negros incríveis.

      Excluir
  3. Oieeee, tudo bem? Olha vou ser sincera com você. Nunca tinha visto esta diferença nas pessoas dos blogs que visito. Não comparo quem escreve ou não, mas você fala por questão de conteudo ou por se sentir representada. Bom, aí eu te entendo. Não vou saber dizer pois não é uma coisa que tenha me afetado em livros, até porque é verdade, eu li muitos livros mas não percebi essa diferença. Você fez uma ótima abordagem!

    ResponderExcluir
  4. Oi Day, amei o seu post! Esse assunto é muito importante e, deve ser abordado sempre que possível. Fiz uma autoavaliação sobre o assunto, ano passado e, por isso, resolvi realizar alguns projetos pessoais para aumetar minhas leituras de autores negros. Respondendo a sua pergunta: sigo várias blogueiros, igs e canais literarios de pessoas negras, sejam elas famosas ou não, precisa apenas ter um conteúdo legal e já estou seguindo.

    Conheço todos os blogs que você indicou e, sempre que posso faço uma visitinha! Agradeço por ter escrito essa publicação de uma maneira tão bonita e sincera, como uma mulher negra, fico feliz em saber que outras mulheres negras estão fazendo um trabalho tão bonito como o seu.

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vivi! Obrigada pelo seu comentário, vou adicionar você na listinha também! Acho importante demais tratar dessa assunto porque a abordagem precisa ir além dos livros e ocupar também outros espaços. <3

      Excluir
  5. Olá, Day.

    Se eu te falar que eu nunca parei e reparei isso você acredita? Eu sempre vejo a bio a respeito do blogueiro, olho a foto, mas não fico identificando raça ou cor, para mim isso não existe, se eu gosto do blog da pessoa, não é por ela ser negra ou branca que eu irei parar de ler suas resenhas.
    Mas foi um bom ponto para abrir um pouco a mente de outras pessoas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana, a intenção não é se importar ou não, mas sim questionar porque nem sempre temos essa representatividade no meio literários e o que podemos fazer para colaborar, fora a listinha com dicas. De qualquer forma, obrigada pelo seu comentário. <3

      Excluir
  6. Olá, tudo bem? Eu não sei te dizer quantos blogueiros negros acompanho porque, sinceramente, dou valor sempre ao conteúdo do blog, independentemente de quem escreve nele, mas sei o quanto isso tudo deve ter sido difícil para você durante esses anos, até porque sempre gostamos de ler um livro no qual nos identifiquemos com algum dos personagens, ao menos. Fico muito feliz ao ver que cada vez mais as editoras estão publicando livros com personagens negros e abordando um tema tão importante, o racismo. Adorei teu desabafo!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lari, a intenção é justamente mostrar como a representatividade presente nos livros, também precisa ir para outros meios. Obrigada pelo seu comentário!

      Excluir
  7. Eu sempre acompanhei blogueiros negros (as), mas não consigo te dizer ao certo o numero, porém sei que você ainda são minoria, e que infelizmente a maioria dos livros trazem sim personagens brancos. Li poucos livros em que protagonistas eram negros, e nos poucos fiquei feliz. E temos sim que lutar e exigir que esse numero cresça, pois quero que os jovens de hoje não passe pela mesma situação, que você e muitas outras pessoas passam. Enfim, meu noivo e negro, e tenho parentes negros, e luto diariamente por todos de uma forma geral. Hoje tenho uma visão mais ampliada do que acontece ao nosso redor. E quero que meus filhos, e os filhos dos outros tenham uma visão diferente, e as mesmas oportunidades, e representatividade que as mulheres e homens brancos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lana! Te acompanho no instagram e você e seu noivo formal um lindo casal! Fico feliz que você trabalhe a consciência racial e tem o desejo de que seus filhos também cresçam em um ambiente livre de amarras sociais, isso é muito bom! Obrigada pelo seu comentário.

      Excluir
  8. Achei muito pertinente sua postagem, mesmo que eu nunca tivesse parado para pensar se a blogueira é branca ou preta, uma vez que sempre estou atenta ao conteúdo literário, mas agora que chamou minha atenção pra isso eu devo dizer que realmente é todo mundobranco, inclusive eu.
    Essa representatividade é muito importante e procuro isso em autores e livros sobre o assunto, como no caso dos livros das suas fotos, todos estão na minha lista desejos, mas nunca procurei blogueiras por esse quesito, mas vou começar me atentar a isso e espero que muito mais blogueiras como você ocupe seu espaço social e nunca se envergonhem disso.
    Simplesmente perfeita sua tattoo, muito talentoso quem a fez e conseguiu transmitir toda história de luta da raça negra. Parabéns e obrigada pela dica dos blogs, vou visitar todos eles.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cami, obrigada pelo seu comentário! A intenção é justamente essa, fazer com que pessoas se questionem sobre o lugar que ocupam e porque outras minorias não são tão presentes assim. E ah, leia Octavia Butler, eu sei que você vai amar. <3

      Excluir
  9. Oie tudo bem? Nunca parei pra analisar quantos, mas sei que acompanho alguns sim... Um bookaholic é um dos meus canais literários favoritos da vida, adoro o carisma do Alex e Influencer eu acompanho a Gabi Oliveira do DePretas, mas não conhecia alguns dos que você citou. Amei seu post, achei extremamente necessário e útil, quanto mais representatividade melhor!

    PS: Amei sua tatuagem <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Alex eu conheci tem pouco tempo e amei demais! A Gabi é uma linda, queria que ela falasse mais sobre livros haha

      Excluir
  10. Ola lindona amei a postagem com pontos importantes sendo ressaltados, confesso que se abriu o espaço devido a temas como esse destacado. Na verdade não me atentei a quais blogueiras negras sigo, pois somos uma família. Linda sua tatoo. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

    ResponderExcluir
  11. postagem interessante, é bom pra fazer a gente questionar esse quantitativo que vai além das leituras, mas vai tbm pra questão dos produtores de conteúdo literário...
    sobre leituras, ando aumentando os autores negros da estante, bem como livros que tragam protagonismo negro...

    e que tattoo linda *____*

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maria, obrigada pelo elogio! HhAHAH Acho que o que mais me fez questionar é justamente o protagonismo ganhando espaço na literatura, quero isso nas plataformas também.

      Excluir
  12. Oi, tudo bem?

    Poxa, mais um post que vejo hoje que fico babando!
    Bom, eu não tenho absolutamente nenhum lugar de fala quando o assunto é esse, mas eu também parei pra pensar nisso recentemente e fiquei abismada que, de autoras e autores negros, eu devo ter na minha estante uns 7 ou 8 no máximo, personagens negros são poucos e blogueiras negras é só você mesmo que eu acompanho...
    Isso é preocupante!! Um assunto que precisa mesmo entrar em pauta com urgência. Gostei do seu post, muito necessário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bibi, obrigada pelo comentário e por me acompanhar por aqui. Na aba de marcadores tem alguns títulos com personagens negros, dê uma passadinha por lá! <3

      Excluir
  13. Adorei o seu post!
    Eu conheço quase todos os que você indicou e gostei muito de ver isso. Os poucos que eu ainda não conhecia vou agora mesmo olhar. Eu acho o seguinte, independentemente de ser negro ou não, se o blogueiro for literário e tiver um bom conteúdo eu vou querer acompanhar (mas infelizmente nem todos pensam assim), mas ver que influencers negros (e não só os literários) estão ganhando cada vez mais espaço é muito bom. Mas quero seguir mais blogueiros literários negros e de preferência blogueiras literárias negras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Bea, claro que o fator cor não deve ser algo excludente, mas precisamos pensar nos diversos âmbitos da representatividade e valorizar o trabalho desse pessoal, né?

      Excluir
  14. Olha, vou te falar uma verdade: nunca tinha pensado sobre isso. Primeiro que atualmente não tem nenhum blog literário que eu realmente acompanhe, e quando busco algum conteúdo específico, normalmente uma resenha de determinado livro, não costumo reparar em quem escreve. Foi bom ler sua postagem para tentar me policiar para observar isso. Com pessoas da vida real, com quem eu realmente convivo, faço de tudo para estar atenta, mas nesse mundo virtual nunca tinha parado pra refletir a respeito do assunto. Ficou maravilhosa sua tatuagem!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ju, obrigada pelo seu comentário! Espero que de algum modo, tenha contribuído na sua formação como blogueira e leitora. <3

      Excluir
  15. Olá!
    Nunca tinha pensado por esse lado. Fazendo uma rápida reflexão sobre o assunto, percebo que de fato são poucos os influenciadores que são negros, principalmente no meio literário.
    Quanto aos livros, percebo que existe uma maior representativa e muitos autores estão se preocupando com isso, até pelo momento que vivemos. Posso citar a Milena, a nova personagem negra da Turma da Mônica. É pouco, mas já vemos um pequeno avanço.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Savio, eu vi a Milena e me encantei completamente, Turma da Mônica é referência para muitas crianças, essa representatividade é muito importante.

      Excluir
  16. Oi, tudo bem? MEU DEUS, ME ABRAÇA, QUE EU AMEI DEMAIS SEU POST! <3 Eu confesso que não sigo blogueiros, mas sigo instagramers. Não vejo nada de canais, então também não acompanho. Mas acho essencial seu post justamente para lembrar que existem pessoas além da ficção que podem fazer a diferença e dar visibilidade a elas é importante. Em muitos aspectos eu ainda não me sinto representada, apesar de ser branca, e sei quão doloroso é isso, é como se você não fizesse parte do mundo. Adorei demais a sua tatuagem! Ficou linda e bem representativa! Obrigada pelo post de novo!

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nina, tava torcendo para aparecer comentário seu por aqui, admiro muito o seu trabalho com minorias e sei que você entende muito bem alguns pontos meus, acho que além disso, o mundo precisa de pessoas como você. <3

      Excluir
  17. Oi. Tudo bem?!?! Espero que sim. De forma geral, não acompanho blogueiros, mas acompanho o portal Geledes que é produzido por mulheres negras porque tem um conteúdo que me interessa na política, cultura e por vezes, literatura, deixo aqui o link - https://www.geledes.org.br/ Também acompanho o blog Racismo institucional, porém, blog específico voltados para livros, não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, o Geledes é uma fonte incrível! Fico feliz que acompanhe por lá.

      Excluir
  18. Oi, Day.
    Confesso que não tenho a menor ideia de quantos influenciadores literários negros eu acompanho, assim como eu não sei quantos são mulheres, quantos são nordestinos, quantos são homossexuais, quantos são judeus... Eu simplesmente procuro qualidade, resenhas que me cativem, fotos que me impressionem!! Para mim, os seres humanos são todos iguais e por isso não vejo porque olhar para uma única característica das pessoas para decidir se vou seguir ou não! Se o trabalho é bom, tem meu like!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cami! Fico feliz que você não faça distinção alguma! Mas o foco da postagem é mais pra percebermos como falta espaço nesse nicho mesmo.

      Excluir
  19. OI Day!
    Nunca fiz nenhum tipo de distinção, pois acho que a amizade e a sinceridade, não tem classe nem cor. Acompanho muitos blogs e nunca me enganei quando resolvi segui-los, mas vou ser sincera olho o conteúdo não fico presa a fotos de perfis, adoro seu blog você faz um ótimo trabalho aqui, o seu desabafo me deixou pensativa, mas vou pesquisar sobre sua pergunta, parabéns pelo post e por abrir essa porta a muitas perguntas. Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cris, fico MUITO feliz com o seu comentário, era justamente essa a intenção!

      Excluir
  20. Nunca fiz nenhuma distinção. Sempre entro em blogs aleatórios, leio e simplesmente aproveito o conhecimento que é repassado.

    Luneta Literária by Yelloobow
    http://lunlitera.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Oieee! Tudo bem?
    Menina, que post incrível! Eu confesso que nunca tinha pensado nessa questão, até porque todos os perfis que acompanho eu sempre olho pelo conteúdo mesmo. No entanto, entendi seu ponto de vista e acho importante que essa representatividade que tem começado a aparecer nos livros precisa estar presente também nas plataformas que os divulgam. Eu já acompanhava alguns desses perfis que você indicou e vou procurar os outros. E recomendo muito o Parênteses (@blogparenteses). As meninas fazem um trabalho incrível lá e sempre dão ótimas dicas de leitura com representatividade.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maluzinha, obrigada! Eu sigo as meninas também e amo o trabalho delas!

      Excluir
  22. Olá, Dayhara!

    Bem... seu post mexeu comigo por perceber o quanto tais questões te afetam e afetam outras pessoas. Todavia, logo que vi o título do post pensei comigo mesma: "Não sigo nenhum blog, canal, instagram, facebook ou o que seja baseada na cor de pele da pessoa". Para mim não importa se a pessoa é branca, negra, parda ou o que seja. Nem se é homem ou mulher, se é uma pessoa rica ou pobre. Eu acompanho os blogs pelo conteúdo que encontro neles. O mesmo se aplica aos livros que leio. Nunca escolho um livro pela aparência física do escritor. Muitas vezes nem olho para a foto do escritor que vem na contracapa. Eu olho para a obra, para o que o livro desperta em mim. Ultimamente tenho apostado mais em clássicos e nacionais, numa tentativa de ler mais livros assim, pois antes não lia tanto. Mas na hora de resenhar, de dizer se o livro é bom ou ruim, uso os mesmos critérios. Se é nacional ou estrangeiro não me importa, posso amar ou odiar o livro do mesmo jeito.

    Dividir tanto as pessoas é horrível. Sei que as minorias existem. Eu não sou branca (sou negra), nunca fui privilegiada, tive que batalhar muitíssimo para conseguir me formar na faculdade (que concluí recentemente e passei na prova da OAB) e só Deus sabe quantas dificuldades já passei e ainda passo. Já ouvi comentários depreciativos das pessoas, mas sempre os ignorei. Jamais permiti que eles moldassem minha vida ou fizessem eu achar que não me encaixava em algum espaço. Nos encaixamos onde desejarmos.

    Eu defendo as lutas das minorias sempre. Mas nunca vou acompanhar um blog ou ler um autor baseada em sua cor de pele ou qualquer outra questão do tipo. Sempre será o conteúdo do blog ou do livro que irá influenciar nas minhas escolhas. Mas que temos que cobrar mais espaço das editoras isso é certo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você quer textão @? Hahaha, acho que esse foi o máximo de informações que tive sobre você já haha. Entendo o seu posicionamento e respeito demais! No entanto, a intenção da postagem é ressaltar a discrepância nesse nicho e como a representatividade é importante em todas as esferas. Obrigada por aparecer por aqui! <3

      Excluir
    2. Eu entendo. E embora não tenha como base para nenhuma leitura ou para seguir um blog a cor de pele do autor/blogueiro, também não ignoro que são espaços nos quais raramente vemos pessoas negras, se de fato pararmos para pensar. E isso é muito triste.

      Nos romances de época mesmo, que tanto amo. É sempre o mesmo padrão. Vez ou outra tem uma diferença de nada, mas regra geral é o mesmo padrão físico. Eu nunca ligo para a aparência dos personagens e muitas vezes até me esqueço se era loiro, ruivo, se tinha cabelos negros ou o que seja. Me concentro é na história. Mas sejamos realistas: quando vemos uma história de época que se passe entre personagens negros ou que haja uma mistura de etnias ou cores de pele? Quando uma pessoa gorda ou com alguma deficiência física tem direito a uma história de amor nos livros e são tratadas de maneira igual? Isso é raro. Confesso que já vi sim, nos livros da Catherine Anderson, que me encanta por abrir espaço para protagonistas fora dos padrões. Mas é muito raro. E aí quando vemos um personagem negro ou gordo ou homossexual ou que faça parte de qualquer outra minoria como personagem principal de uma história isso acaba sendo motivo de admiração quando deveria ser algo comum, normal. Era para todos terem um espaço igual.

      Excluir
  23. Que postagem maravilhosa e necessária! Entendo o que você fala sobre a representatividade nas histórias, esse lance da identificação. Não sou negra, mas sou gorda e entendo que as minorias quase nunca chegam ao âmbito literário, mas felizmente isso tem mudado, mas concordo com você, precisamos de mais! Mais pessoas vistas como minoria tendo seu espaço, mais personagens reais sendo representados nas histórias. Tenho muito orgulho de acompanhar o seu blog e de outras leitoras negras, vocês são um grande orgulho! Por tudo que fazem e por tudo que enfrentam!

    ResponderExcluir
  24. Olá, tudo bem? Que post maravilhoso! Estava mesmo me autocriticando quantos canais/blogs com pessoas representativas da diversidade eu sigo?! Aos poucos vemos o nicho se abrindo mais, porém realmente no início o esteriótipo padrão era grande. De blogueiras e canais com pessoas negras já existe alguns que sigo desde o início, e que amo. Adorei mesmo a postagem e já peguei algumas dicas!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aninha, é sempre importante nos questionarmos, isso ajuda até mesmo a desconstruirmos estereótipos que perpetuamos sem perceber.

      Excluir
  25. Quando começo a acompanhar o trabalho de alguem não me prendo a como a sociedade classifica a pessoa, se é por gênero, classe, etnia. Apenas me prendo à qualidade do que está sendo apresentado a mim, desde livros a blogs. Contudo, compreendo suas colocações, vivemos em uma sociedade que embora esteja em plena era da informação às mãos ainda se porta de maneira tão retrógrada. Infelizmente, qualquer pessoa que represente uma minoria social se sente mal representada. Espero que isso um dia mude, melhore!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tay, é justamente isso, por mais que nós não tenhamos nenhum tipo de preconceito, a sociedade ainda perpetua o racismo estrutural

      Excluir
  26. Nunca tinha parado pra pensar no conteúdo da blogosfera literária feita por negros e agora que você passou alguns dos seus favoritos, já vou conferir o trabalho deles e acompanhar. Amei o post.
    beijos

    ResponderExcluir
  27. Oi Day,
    Lindo o post, o mundo precisa de mais representação e menos preconceito, apesar de na minha cabeça o fato de ter que dizer já ser um erro. O mundo em que vivemos pra mim é um erro, ser uma blogueira negra ou uma youtuber negra não deveria ser um problema ou uma vitória, deveríamos viver em um mundo onde isso fosse comum e aceito.
    Mas a luta é louvável e participar dela é uma obrigação de um cidadão que se diz do bem. Lindo o post, que as próximas gerações tenham um mundo mais cheio de amor e igualdade.

    Beijokas

    ResponderExcluir
  28. Que post incrível e necessário! Eu te confesso que nunca me liguei muito em quem escreve por trás de um blog/instagram, e raramente acompanho canais no youtube, mas acho te questionamento muito válido, e prefiro pensar que pessoas que não acompanham blogueiras ou youtubers negras seja mais por falta de "atenção" do que preconceito, mas sei que nos dias de hoje é algo difícil de acreditar. Vou começar a acompanhar suas indicações. ♥♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dessa, fico feliz com o seu comentário e espero que as dicas sejam bem aproveitadas, todos os blogueiros citados são maravilhosos!

      Excluir
  29. Oi tudo bem?
    Sendo bem sincera com você, nunca parei para pensar no assunto, mas agora refletindo sobre tudo q vc disse, parei para analisar os que acompanho e o único que me vem a mente agora é o blogparenteses no instagram, as meninas tem um perfil bem legal e dão várias dicas de livros e eventos
    bjos

    ResponderExcluir

Todos os direitos reservados 2019 |
Desenvolvimento por: Suelen Marques - Web Design
Para o topo!