Posts Recentes

Literatura para enegrecer e empoderar

6 de maio de 2019


Esse ano nós somos parceiros da SESI-SP Editora, e não há prazer maior do que poder compartilhar o olhar sobre uma literatura tão bem produzida, o nosso primeiro pacotinho veio recheado de amor e representatividade. Luana, que cuida das parcerias teve o carinho de me mostrar essas edições maravilhosas e me enviar, porque sabia da minha alegria em receber essas duas obras. A experiência de leitura foi enriquecedora para a caminhada porque entendi como o descobrimento e o entendimento sobre questões raciais são processos, nem sempre fáceis, mas sempre repletos de muita reflexão.


O primeiro livro recebido foi Quando me descobri Negra, da Bianca Santana, eu não conhecia a obra e quando recebi meu coração ficou quentinho, o cuidado com a edição é algo que poucas vezes vi na vida, desde a capa cheia de representatividade, até as folhas, o formato e as ilustrações que carregam uma ancestralidade capaz de nos proporcionar uma força além do esperado. A obra é curtinha, do tipo que você lê em uma sentada mas eu preferi ler aos pouquinhos, um texto por dia, porque sabia que é o tipo de obra para se degustar. Mastiguei cada texto aos pouquinhos e absorvi tudo o que podia. São textos que refletem a realidade do negro no Brasil, seja no ambiente acadêmico ou em uma simples situação cotidiana, Bianca vai destilando todo o ardor que é ser negro, sem nunca deixar-se de mostrar orgulhosa por ser quem é. Esse é um livro empoderador e que eu adoraria ter lido quando adolescente, passar pelo processo de transição e de reconhecimento enquanto pessoa negra não é nada fácil, é um mundo perdido e que você precisa desbravar muitas vezes sozinha, mas agora sei que existem autores como Bianca, prontos para te mostrar o caminho, colocar o dedo na ferida e demonstrar que o problema não é você, o seu cabelo, o estereótipo, o problema são os outros, o racismo estrutural e tudo o que nos acomete. Essa é uma obra que recomendo e que definitivamente irei presentear minhas amigas, Bianca me deu um abraço de irmã, recheado por ancestralidade e a certeza de que não estamos sozinhas.


A segunda obra que recebi foi O diário de Bitita, escrito por Carolina de Jesus, a minha primeira experiência com a autora foi lendo Quarto do despejo, obra essa que nunca tive coragem de resenhar por aqui de tanto que me marcou. Sabe quando você encontra o livro da sua vida e sente que nenhum elogio será suficiente? É isso que acontece com Quarto do despejo, assim que comecei a ler O diário de Bitita percebi como eu queria que esse livro em especial fosse a minha primeira experiência com a autora, para entender muito do que Carolina foi em Quarto do despejo, é preciso ler Diário de Bitita, sabe por que? O livro foi publicado primeiro na França e depois no Brasil, é um relato autobiográfico um pouco mais intimo que Quarto do despejo pois a autora fala intimamente de sua vida desde a infância, até os tempos para além de suas outras obras, vamos conhecer aqui Bitita, a menina chorona e que ninguém aguentava por perto, a criança que queria ser homem pois assim seria respeitada, a adolescente audaciosa e que demorou a entender porque ser negro é sofrer duas vezes. Carolina quando pequena, achava que seu nome era Bitita, quando descobriu que não era, percebeu que se abriu para um novo mundo.
“Quando havia um conflito, quem ia preso era o negro. E muitas vezes o negro estava apenas olhando.”

Sempre observadora e sem medo de questionar, vamos encontrar aqui um relato sincero e sem meias palavras, percebe-se que a intenção da autora não era agradar, não era falar sobre racismo e muito menos diminuir a culpa das pessoas que passaram por sua vida. Carolina quis contar a sua história e ponto, isso basta, é forte e poderoso. Eu me apaixonei por esse livro desde suas notas iniciais, sobre a demora da publicação, os motivos e o fim de Carolina, até a última página, tudo foi muito especial. Carolina não era uma criança como as outras, ela não era somente curiosa, era única, já pequena era questionadora, tentava se impor, e o tempo todo observava as coisas ao seu redor, sempre tentando entender as injustiças do mundo. Essa obra é uma descrição crua e verdadeira de uma autora que infelizmente morreu do mesmo modo que se tornou famosa, na miséria. Carolina não teve o reconhecimento que merecia na época e muito me alegra que a editora SESI-SP tenha se atentado para a necessidade dessa obra. É necessário ler absolutamente tudo dessa autora para entender a condição do negro no Brasil, como o racismo abala até mesmo a nossa saúde mental e para além disso, questionarmo-nos porque a literariedade de uma mulher tão necessária ao mundo, por muito tempo foi ignorada.


Essas são duas obras que eu inquestionavelmente indico para toda e qualquer pessoa que queira uma leitura que mexa com o coração e a mente, ler ambas as autoras é questionar o seu lugar o mundo e a forma que você o ocupa. Leia Bianca, leia Carolina, mas acima de tudo, permita que outras delas floresçam e resistam em tempos tão sombrios como esse. 


Título: Quando me descobri negra
Autora: Bianca Santana
Editora: SESI-SP
Nº de Páginas: 96
Sinopse: "'Quando me descobri negra fala com sutileza e firmeza de um processo de descoberta inicialmente doloroso e depois libertador. Bianca Santana, através da experiência de si, consegue desvelar um processo contínuo de rompimento de imposições sobre a negritude, de desconstrução de muros colocados à força que impedem um olhar positivo sobre si. Caminhos que aos poucos revelam novas camadas, de um ser ressignificado. Considero este livro um presente, é algo para se ter sempre às mãos e ir sendo revisitado. Bianca, ao falar de si, fala de nós.'' - Djamila Ribeiro.
 
Título: Diário de Bitita
Autora: Carolina Maria de Jesus
Editora: SESI- SP
Nº de Páginas: 208
Sinopse: Um romance muito forte, com imagens muito trabalhadas, sobre a vida no negro no início do séc. XX. As primeiras escolas surgiam, e o racismo estava impregnado naquela cultura de uma forma mais explicita que hoje: “No ano de 1925, as escolas admitiam alunas negras. Mas quando as alunas negras voltavam das escolas, estavam chorando. Dizendo que não queriam voltar à escola porque os brancos falavam que os negros eram fedidos.”*Obras cedidas em parceria com a editora.

17 comentários:

  1. Tudo bem? Parabéns pela parceria. Não conhecia os livros, mas fiquei bem curiosa com O diário de Britta. Leitura e que mexem com o coração geralmente são muito bem vindas. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Não conhecia a editora. Esse segundo livro, se não fosse passado em outra época, eu juro que acharia que é baseado na vida da autora, ainda mais pela semelhança dos nomes.
    Parecem ser livros rápidos de ler, porém com uma grande carga de aprendizado!

    ResponderExcluir
  3. Menina, você falou de uma forma tão intensa sobre os livros que já coloquei na minha lista de desejados. Não conhecia nenhum dos livros, mas conheço a Carolina de Jesus justamente por conta de Quarto de Despejo (que ainda não li, mas que está nos desejados).
    Adorei as dicas!
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. aaaaaaaahhhh que legal!!!
    Acho muito legal quando vejo uma literatura tão bem trabalhada assim e que enriquece tanto a gente. Adorei saber saber sobre essas histórias e o jeito que você falou sobre elas só me deixou com mais vontade ainda de ler! Porque mesmo não tendo lugar de fala nesses assuntos, gosto muito de entender os outros lados.

    ResponderExcluir
  5. Olá! Tudo bem?

    Primeiro, parabéns pela parceria, não tive oportunidade de parabenizar antes.
    Segundo, que obras lindas! Tanto na edição quanto no seu conteúdo. Não conhecia nenhuma das autoras citadas, mas fiquei instigada pelo primeiro, quando me descobri negra.

    Beijos,
    Blog Diversamente

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela parceria! Adorei os títulos e o conteúdo que ambos entregam. Não conhecia, mas agora já estão na minha lista!

    ResponderExcluir
  7. Oii, tudo bem?

    Eu simplesmente amei sua resenha, super completa e tocante. Fiquei extremamente empolgada para ler os livros, parecem ser muito bem trabalhados, e os assuntos abordados na trama são muuuito importantes. Já coloquei na minha lista de desejados, preciso desses livros para ontem.

    Obrigada por compartilhar!!
    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  8. Oi, que post maravilhoso! Que bom poder conhecer essas duas obras através da sua postagem. Quero muito ler algo da Carolina de Jesus e esse livro vai pros desejados, o primeiro também me encantou pelos seus comentários. Bom saber que as edições foram caprichadas. Ambos têm uma temática interessante e necessária.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Como é importante é ler literatura brasileira né. Que vem muito bem representada por duas gerações de escritoras. Eu amo a Carolina Maria de Jesus, pra mim "Quarto de despejo" deveria ser leitura obrigatória nas escolas, e sobretudo para quem tem interesse em se candidatar a algum cargo na política. A Bianca eu não conhecia, mas já deixei como desejado no Skoob. Os detalhes da foto que você postou chamaram minha atenção, gosto de ilustrações e também de edições caprichadas.

    ResponderExcluir
  10. Que resenha incrível! Eu quero muito ler os dois livros, embora há anos sinta vontade de conhecer a Carolina de Jesus através de Quarto do Despejo. É muito triste que a situação não seja muito diferente do passado: o racismo segue existindo e hoje em dia falar sobre isso faz com que as pessoas que vivem numa espécie de bolha ou são simplesmente maldosas chamem de mimimi. Somos todos cidadãos, somos pessoas que deveriam ter direitos iguais, mas vemos que na realidade as coisas não são bem assim. Pessoas morrem simplesmente pela cor da pele, do mesmo modo que mulheres são assassinadas por serem mulheres. Já não aguento mais tanta maldade. :(

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia essas obras, mas confesso que fiquei super curioso para saber dessas histórias na íntegra, pois parecem ser muito surpreendentes. Excelentes dicas.

    ResponderExcluir
  12. Que lindo este seu cuidado de ler Quando me descobri Negra como se degusta um prato saborosíssimo e como é uma obra empoderadora que vc gostaria de ter lido na adolescência, vou ler para trabalhar com os meus lindos e amados jovens. Amei a premissa do O diário de Bitita, ambos anotados para eu comprar logo logo.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
  13. Olá

    Eu fiquei encantada com tamanha delicadeza da editora nos detalhes das edições.
    O primeiro livro me despertou um grande interesse, porque não é minha realidade,mas pode me ensinar a compreender os problemas dos negros no Brasil e como de forma alguma devo agir com eles.

    Beijos e espero as resenhas.

    ResponderExcluir
  14. Oi Day! A gente que a representatividade importa demais e que cada pedacinho de livro e história que puder ajudar a nos enxergar como de fato somos, a aprender a nos reconhecer e a nos emponderar, é precioso. É triste saber que depois de tanta luta e dor, e mesmo sem a vitória, os tempos ruins estão voltando, tirando tudo que o negro sangrou para conseguir, e não estamos falando de migalhas, estamos falando de direitos. As duas obras me interessam muito, mas a segunda tocou mais profundo em mim. Saber um pouco da história da autora me deixou triste, e sabendo dos seus sentimentos com o primeiro livro dela, me deixou curiosa, porém com medo, porque sei que vou encontrar dor também. Agradeço muito as dicas, e espero ler muito em breve!

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  15. Eu não conhecia a editora e já gostei bastante desses livros que você me apresentou, são obras muito necessárias e fiquei com vontade de ler.

    ResponderExcluir
  16. nossa, devem ser duas leituras espetaculares. principalmente essa de Carolina de Jesus, eu fiquei muito curiosa pra ler vendo essa sinopse. Já anotei na wishlist... Tbm acho que em tempos sombrios como o que estamos vivendo, nesse cenário político caótico, é mais do que importante discutir pautas como racismo e afins... leituras desse tipo só nos fazem compreender ainda mais o nosso 'ao redor'...

    bjs :D

    ResponderExcluir
  17. Olá,
    Ah que coisa fofa parece ser o Quando me descobri negra. Ainda mais por ser algo de empoderamento indicado também para jovens, bem interessante. O material parece ser lindo também.

    Debyh
    Eu insisto

    ResponderExcluir

Todos os direitos reservados 2019 |
Desenvolvimento por: Suelen Marques - Web Design
Para o topo!