Posts Recentes

RESENHA Aventuras de Huckleberry Finn

21 de agosto de 2019


Oi, galera, aqui é a Isa. A resenha de hoje é sobre o livro Aventuras de Huckleberry Finn, mas antes de irmos para a resenha em si precisamos saber algumas coisas. Talvez alguns de vocês conheçam o livro As aventuras de Tom Sawyer, de Mark Twain, bom, nesse livro Huckleberry é o melhor amigo de Tom e eles vivem várias aventuras juntos nas margens do rio Mississipi. Outra coisa que é importante saber é que Aventuras de Huckleberry Finn se passa entre os anos 1835 e 1845, no qual a escravidão nos EUA ainda estava acontecendo, desse modo, surgiram várias especulações para levantar a problemática “Aventuras de Huckleberry Finn seria um livro preconceituoso?” Quando lemos um livro precisamos levar em consideração o momento histórico que ele foi escrito, os valores daquela sociedade e não aplicar valores atuais a obra.



Huck é um menino muito bom, porém muito levado e travesso. Seu pai é um homem horrível, que bebia e batia nele. Então a viúva Douglas pega Huck para criar e “civiliza-lo”, na casa da viúva ele aprende a ler, a escrever, ganha roupas novas, boa alimentação e é bem cuidado. Certo dia Tom Sawyer chama Huck para uma reunião no meio da noite, mas antes de irem Tom faz uma brincadeirinha para assustar Jim, o escravo da família. Tom quer formar uma quadrilha como outros amigos para eles poderem fazer roubos na cidade. Como Huck não tem nada a perder ele aceita e dá a viúva como garantia caso ele denunciasse os amigos.

Huck e Jim são muito amigos, um nível de amizade mais elevado do que era permitido na época entre um branco e um negro. Até chegar um determinado momento em que a viúva precisa vender o Jim, ele escuta isso e decide fugir. Huck faz de tudo para que ela não precise vendê-lo, mas não adianta. Jim conta para Huck que vai fugir pelo rio Mississipi até um refúgio de escravos e pede para Huck ir com ele pois um negro sozinho no rio seria suspeito, mas se ele estivesse com um branco seria diferente. Huck diz que aquilo não está certo, que Jim não pode ir e se ele ajudasse ele seria um “abolicionistazinho”, discurso que ele ouviu do pai. Apesar de todas as ressalvas Huck decide ir e é aí que toda a aventura de Huckleberry Finn começa pelo rio Mississipi.



Aventuras de Huckleberry Finn é um livro muito bom, pois por meio dele podemos observar como era a situação das pessoas escravizadas no Sul dos EUA. Essa obra mostra o olhar de uma criança frente ao horror desse período que ainda deixa cicatrizes bastante latentes em nossa sociedade. Não é um livro feliz, apesar de ser engraçado em alguns momentos pois são jovens que aprontam de montão e vivem várias aventuras, o que segue ecoando é a tristeza desse período em relação à questão racial,  é um livro que te tira da zona de conforto, te faz ter fortes embates pois são só crianças narrando a segregação em seu ápice, uma história bastante dolorosa ainda mais do ponto de vista juvenil. Essa obra é necessária para que possamos pensar os clássicos naquela época e como tudo era retratado. As aventuras de Huckeberry é uma forte crítica, que passeia pelo gênero infanto juvenil mas que cumpre seu papel entre todas as idades, uma leitura que vale a pena. Além do livro ser ótimo essa edição da Zahar é maravilhosa, capa dura, com um cuidado impecável na diagramação e  várias ilustrações durante a história.


Título: Aventuras de Huckleberry Finn
Autor: Mark Twain
Editora: Zahar
Nº de Páginas: 408
Sinopse: "Huckleberry Finn – o parceiro de Tom Sawyer – escapa de casa para embarcar em uma série de aventuras junto com o escravo fugitivo Jim. A bordo de uma jangada, os dois sobem o Mississippi e vivem situações extraordinárias com personagens inesquecíveis – como o “Rei” e o “Duque”, uma das maiores duplas de vigaristas da história da literatura. Narrado em primeira pessoa pelo próprio Huck, a viagem de formação que une o menino rebelde ao escravo negro perseguido atravessa questões sérias e profundas que continuam a nos desafiar: o racismo e a escravidão, a brutalidade das relações humanas no “mundo adulto” e o puritanismo religioso e cultural. Em conflito com os valores corruptos e hipócritas da sociedade, Huck enfrenta o dilema de salvar o amigo ou entregá-lo às autoridades. *Exemplar cedido em parceria com a editora.

18 comentários:

  1. ai adorei essa dica! Eu li o livro do Tom e adorei! Preciso ler esse também hahaha
    eu também acho que a gente tem que levar em consideração o povo daquela época, o momento que o livro ta inserido, porque se não for assim, a gente vai acabar problematizado tudo quanto é classico da literatura.
    adorei a resenha e as fotos ficaram lindas! Adorei!

    ResponderExcluir
  2. Olá, vi que o livro é uma clássico, eu fiquei bem curiosa porque nunca tinha visto a obra então é uma novidade no meu caso, gostei bastante da premissa e pretendo incluir ele em breve em minhas leituras.

    ResponderExcluir
  3. As edições da Zahar são muito lindas. Não conhecia este livro, mas acho que é uma leitura muito enriquecedora culturalmente. Tom Sawyer eu já ouvi falar, mas também não li. Adorei a dica e a resenha.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Gente, que capa linda apesar de que a história obviamente vai mostrar algo não tão lindo, mas é um assunto que eu gosto de ler para ver por uma ótica diferente. É a primeira vez que vejo falar deste livro e vou lá colocar na minha lista de desejados porque realmente adoro temas sobre os EUA e ainda mais com questões históricas.

    ResponderExcluir
  5. Olá.
    Eu achei essa capa simplesmente maravilhosa, a Zahar arrasa nesse sentindo. E ela não me faria pensar nunca que esse fosse um livro pesado com as críticas sociais sobre os escravos, por exemplo.
    Fiquei bastante curioso, principalmente por você dizer que esse não é um livro feliz. Gosto de livros que servem a um propósito, e tem um tom mais cru, mostrando a realidade de como as coisas eram.
    Vai entrar para os desejados com certeza.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Quero muito ler esse livro e adicionei na minha lista de desejados.
    Sua resenha só me deixou mais animada. Acredito que não deve ter sido uma leitura fácil, por causa do período, mas que valeu a pena

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  7. As capas da zahar são tão lindas que tenho vontade de pegar todas. Imagino que a leitura não tenha sido fácil, mas que foi super válida! Adorei sua resenha e já estou querendo ler esse livro!

    Beijos,
    Blog Diversamente

    ResponderExcluir
  8. Essas edições da Zahar são lindíssimas! Eu ainda não conhecia esse livro, mas gostei da premissa dele, principalmente por abordar assuntos da história. Vou colocar na minha lista!

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir
  9. Eu só tinha ouvido falar do título desse livro, nunca tinha lido nenhuma resenha sobre ele. Gosto de livros que usam o olhar infantil para contar momentos horríveis da história. As crianças tem uma sensibilidade incrível.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  10. Com essa capa eu nunca ia imaginar que se tratava de uma história que fala sobre escravidão e questões raciais, fiquei muito curiosa pela sua resenha porque parece um jeito muito interessante e importante de se abordar isso!

    ResponderExcluir
  11. Oiieee

    Eu gosto dessa ambientacao do sul dos EUA na época onde ainda havia a escravidão, pelo pouco que li sobre essa época, foi um periodo bem conturbado e os EUA passaram por uma fase de profundo racismo bem longa, que durou até os anos 70 mais ou menos e foi complicado. Se visse esse livro sem ler a resenha, talvez não me animaria com ele, mas gostei da tua opinião e principalmente das criticas sociais que o livro traz, memso sendo uma abordagem para o leitor infanto juvenil, bacana isso. A edicao da Zahar está maravilhosa.

    Beijos, Alice

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem?

    Não conhecia essa obra, e achei bem interessante ainda mais visto de uma forma não tão pesada, apesar de ser. Mesmo sendo um livro juvenil, consegui senti os medos e aflições que a história conta, através da sua resenha. A edição realmente está incrível.

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Olá,
    Gosto de Mark Twain mas confesso que nunca li este. Creio que todos os livros dele (ao menos os que eu li) tem essa forte crítica contra a sociedade da época acho que era algo que ele sempre inseria mesmo. Assim que der quero ler sim!

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  14. Oi Isa!
    Não conhecia esse livro, mas deu para perceber com sua resenha o quanto é dramático e pesado, falando de escravidão e mais ainda sendo narrados por jovens parece que o impacto é mais profundo, obrigado pela dica, vou colocar na minha lista como os outros livros da série também, parabéns pela resenha me deixou curiosa em como vai acabar essa aventura, apesar de você ter comentado que não é um livro de temática fácil. Bjs!

    ResponderExcluir
  15. Já tinha ouvido falar do personagem mas não tinha ideia de q tipo de história era, mesmo um tema pesado parece ser bem retratado nesse livro e concordo com vc, não há pq querer utilizar os valores atuais numa história q não foi feita para nossa época, dica anotada!!!

    ResponderExcluir
  16. Olá

    O livro me lembra bastante outro livro chamado de A Cor Púrpura- que você já deve ter lido - que também fala da escravidão e os preconceitos de origem machista.
    Lembro que li Huckleberry há muito tempo. Era uma adolescente e aprendi demais com a amizade ambos os garotos e abrir meu olhar para além dos meus problemas.

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Eu fiquei muito interessada neste livro depois que li o romance epistolar "Querida Sue", no qual os personagens ao longo da história conversam sobre diversos livros. Só que um dos mais mencionados é justamente este, motivo pelo qual o coloquei na minha lista de futuras leituras.

    Parece uma história muito forte apesar de ser infantojuvenil, uma vez que aborda temas tão sérios como racismo e escravidão. Concordo que temos que realmente ler um livro, considerando a época em que foi escrito e as críticas que o autor tinha a intenção de fazer. É a mesma coisa do conto "Negrinha", de Monteiro Lobato, que nem todos conseguem entender que é um conto que não é um conto racista, mas sim um conto que denúncia o racismo e a sociedade tida como "de bem".

    Estou ansiosa para ler este livro!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  18. Ai, gente, que capa mais linda! Eu não conhecia esse livro e só pela resenha eu já amei, imagina lendo. Adorei a dica, espero poder conferir em breve.

    ResponderExcluir

Todos os direitos reservados 2019 |
Desenvolvimento por: Suelen Marques - Web Design
Para o topo!