Posts Recentes

A sensibilidade presente em O cuidadoso despir do amor

3 de abril de 2020

Já li outras coisas escritas por Corey e a cada experiência eu sentia um misto de sentimentos, a maneira como autora trabalha o drama é perceptível a cada página, não há como sair da leitura sem se emocionar, não há como terminar uma obra de Corey sem sentir o coração pesar um pouquinho, amar nem sempre é uma tarefa fácil, mas poxa, precisa ser tão doloroso assim?

Não se deixe enganar por essa capa fofíssima, a autora não deixa essa história acontecer de forma tão gostosinha assim, esse é um drama jovem, mas que te comove como ninguém. Até onde a morte, luto e medo podem ser culpa de um grupo de pessoas?


Lorna, Delilah, Charlotte, Isla e seu irmão, Cruz, são amigos próximos, próximos mesmo, unha e carne, moram na mesma rua, se entendem como ninguém e carregam traumas tão únicos, mas que de algum modo acaba unindo-os. Acontece que essa rua em especial carrega um tipo de maldição, há uma concentração exacerbada de viúvas ali, nenhuma mulher que mora ali deve se apaixonar, caso isso aconteça, seu amado provavelmente sofrerá as consequências com isso, mas até onde isso é puro misticismo? Como Angelika, uma senhora tão velhinha, pode estar tão certa disso? Quando Jake, o namorado de uma das garotas dessa rua se acidenta, tudo isso vem a ser questionado, será que realmente verdade?


Não tem um livro dessa mulher que não mexa com o meu emocional, de verdade! A maneira tão despretensiosa que Corey escreve é o que acaba nos cativando, os personagens são sempre jovens, tão doces e sinceros que você acaba se afeiçoando facilmente, gostando de graça, o ponto nesse tipo de narrativa é totalmente diferente, não há nenhum tipo de plot que te deixa sem fôlego, aqui tudo flui numa calmaria que te machuca a cada página, cada trecho é recheado de tanta dor, tanto sentimento, tanto pesar que você não consegue deixar de se emocionar.

As mulheres da rua Devonairre são conhecidas pelos longos cabelos entre outras características, e apesar de Lorna ser a jovem mais cética do grupo, pouco a pouco ela passa a reavaliar essa maldição toda, principalmente quando Delilah, que faz parte de seu grupo se apaixona, tudo muda de modo bastante considerável, mas algo acontece e a maldição volta a reverberar ao redor de todos dessa rua, e novamente mais dor volta a rondar esse grupo.
“Na maior parte das vezes, somos uma piada. Uma lenda urbana engraçada que é desacreditada, usada como anedota ou mencionada como parte do charme do bairro. As pessoas reviram os olhos e perguntam por que damos a uma lunática como Angelika tanto poder. Então perguntam se já medimos nosso cabelo. Pegam a chave em volta de nosso pescoço e a seguram nas mãos, esquecendo que estão ligadas a pessoas de verdade.”
Não há como delimitar a maneira como essa obra é narrada, não há como explicar maneiras tão significativas para a dor unir o grupo, não há meios de demonstrar porque o que é diferente nos chama tanto a atenção que acabamos desumanizando os outros, não há como não se sensibilizar com esse grupo sem pensar como chegaram até ali. O cuidadoso despir do amor é uma história única, sobre temas tristes e que fazem respirar com pesar na maioria das vezes, mas ainda assim é uma narrativa que te apresenta uma bela lição moral, te faz refletir sobre a menor das coisas e te torna uma pessoa ainda melhor. Uma história dolorosa sobre o morrer mas acima de tudo sobre união.



Título: Cuidadoso despir do amor
Autora: Corey Ann Haydu
Editora: Galera Record
Nº de páginas: 266
Sinopse: "Lorna, Delilah, Charlotte, Isla e seu irmão, Cruz, são tão íntimos que por vezes se sentem como uma pessoa só. Cresceram na mesma rua do Brooklyn, em Nova York, celebram seu aniversário no mesmo dia e o mesmo atentado tornou-os órfãos de pai. Mas, acima de tudo, o que os une é que se recusam a acreditar na Maldição que ronda a rua Devonairre. Conta Angelika, sua velha vizinha, que aqueles por quem uma garota da rua Devonairre se apaixona morrem. Prova disso são as incontáveis viúvas que ali vivem. Para proteger aos homens e a si mesmas, as jovens da rua devem se identificar pelos cabelos longos, as chaves penduradas no pescoço, as roupas de lã... e ser minuciosamente examinadas pela idosa, em busca do menor sinal de amor. Os amigos não têm medo, e Delilah parece ser a primeira a experimentar a sensação. Mas quando seu namorado, Jack, é atropelado, eles começam a questionar se amar é um direito seu."*EXEMPLAR CEDIDO EM PARCERIA COM A EDITORA. 

13 comentários:

  1. A capa e o título me chamaram atenção. Um drama que leva o leitor refletir um punhado de coisas.
    A questão da união delas, tão dolorosa. Estou pensando como eu iria reagir ao lado dessas mulheres... To sem palavras.

    ResponderExcluir
  2. Olá!!

    Eu vi uma outra resenha desse livro em um outro blog, até então eu não conhecia a autora e nem seus trabalhos, mas fiquei muito interessado pelo livro pois, achei a premissa do mesmo muito interessante. Sua resenha veio para confirmar que o livro é realmente excelente e me deixou ainda mais ansioso pela leitura do mesmo.

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  3. Oi!
    Eu não conhecia esse livro, mas tenho que dizer que a sua resenha está excelente, pois me deixou muito curiosa sobre a trama. Fiquei o tempo todo em que lia o seu texto pensando se realmente existia uma maldição ou algo a mais.
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com/2020/04/resenha-estacao-onze-um-role-pelo-mundo.html

    ResponderExcluir
  4. Recentemente realizei a leitura do livro, achei a obra num todo muito sensível e emocionante, melancólica em diversos momentos, mais adorei cada página, toda a obra possui significados que só quem ler é capaz de entender, adorei o post bem completo e sincero!

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Não conhecia essa autora e nem o livro, mas fiquei curiosa para saber o lado emocional do livro e principalmente por ter uma capa tão bonita. Parabéns pela resenha estou empolgada para ler esse livro com essa parte emocional que você demonstrou e o sentimentalismo envolvido, obrigado pela dica, bjs!

    ResponderExcluir
  6. é a primeira vez que vejo esse livro, e não sei se conheço outros livros escritos por Coreys, e o texto for da mesma sensibilidade que a capa e o título demonstram, sei que vou me emocionar mesmo.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Dayhara!
    Menina, essa capa é linda mesmo - e a gente total fica esperando uma história suave por causa dela né haha Pelo o que você contou, essa história é daquelas que deixam uma marca no leitor (gostei disso!), já conhecia o estilo de escrita da autora, mas acho que deixei esse título passar, já vou corrigir esse erro hehe
    Beijos e se fique bem!

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    Quando li a sinopse desse livro eu fiquei muito na dúvida, não conhecia a autora então nem me interessou muito... até ler a sua resenha hahaha. Menina me empolguei em querer ler o livro, gosto desta coisa dramática que te pega pelo coração, a história parece ser do tipo que gosto.

    ResponderExcluir
  9. Olá

    Se tem obras que me ganham é as que nos fazem ficar extasiados com as reflexões colocadas pelos enredos e que nos colocam no lugar dos personagens e principalmente, nos fazem sentir a dor alheia e assim nos sensibilizar para algum tema que normalmente ignoramos.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. você diz ''nao se ilude com a capa'' eu ja tava iludida com a capa kkk. gostei dessa premissa, parece bem realista porque isso do misticismo e mulheres presas a viuvez é algo bem comum, eu leria muito e fiquei bem intrigada.

    ResponderExcluir
  11. Fiquei extremamente curiosa quanto aos traumas e dificuldades de cada um dos personagens e essa coisa de maldição... Nunca li nada da autora, mas conheço de capa um dos livros dela. Sua resenha realmente demontra que ela tem uma escrita cativante e eu fiquei muiiiito interessada na leitura!

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem ?
    Não conhecia nada sobre a autora e nem sobre a obra. A capa me chamou a atenção.
    Essa coisa de traumas que carregamos durante a vida e o quanto ele reflete em quem somos e a dificuldades emocionais que carregamos é sempre muito intenso quando narrados da forma correta.
    Adorei sua resenha, mas, por outro lado a doçura da capa realmente me parece contrário ao conteúdo como você mesmo reforça.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Eu sou uma mistura entre achar essa capa incrivelmente fofa e tão diferente, mas ela é um charme. Adoro essa carga de drama nos livros , sabe? Entao já estou vendo que posso gostar muuuuito dessa leitura!!

    ResponderExcluir

Todos os direitos reservados 2019 |
Desenvolvimento por: Suelen Marques - Web Design
Para o topo!